Pesquisar notícia
sexta,
24 set 2021
PUB
Sociedade

Vigilantes da natureza iniciam greve às horas extraordinárias em 01 de julho

26/06/2021 às 10:36
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

Os vigilantes da natureza vão iniciar em 01 de julho uma greve às horas extraordinárias por tempo indeterminado, anunciou hoje o Sindicato Nacional da Proteção Civil (SNPC).

Num comunicado, o SNPC refere que "todos os anos se assiste a um decréscimo de responsabilidades dentro do DECIR (Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais), que atribui aos vigilantes da natureza apenas a vigilância e deteção, sem poder atuar dentro das zonas adstritas ao respetivo parque natural, que representa um atentado à natureza e a biodiversidade que estão sobre sua alçada".

O SNPC recorda que os vigilantes da natureza estão equipados com um veículo ligeiro de combate a incêndios com capacidade de 500L de água e que faz toda a diferença numa ignição.

"Ter vigilantes da natureza com capacidade de 'Ataque Inicial' (primeira intervenção), pode ditar a diferença entre ter um fogacho ou um incêndio de grandes dimensões, com perdas enormes para a biodiversidade, meios humanos e materiais", defende o SNPC.

O sindicato denuncia “um desrespeito pelo trabalho dos vigilantes da natureza, negando-lhe uma revisão da carreira profissional e um salário ajustado a todas as funções que lhes estão atribuídas e lembra que recentemente passou para alçada do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) a tutela dos animais de companhia que resultou em mais trabalho, aumento da responsabilidade e manutenção do salário.

Assim, o SNPC refere no comunicado que luta por melhores condições de trabalho, mais uniformes e equipamentos de proteção individual e pela abertura de concurso de pelo menos 100 vigilantes da natureza.

O SNPC sublinha no comunicado que também luta pela inclusão dos vigilantes da natureza com atuação ao nível da primeira intervenção na Diretiva Operacional Nacional, por mais meios de comunicação rádio/móvel e pela defesa da negociação, pelo diálogo e a resolução das reivindicações apresentadas ao Ministério do Ambiente e Ação Climática.

"O pacote financeiro aprovado pelo conselho de ministros dedicado à floresta mostra que o dinheiro não é problema, o problema são as políticas desajustadas em prejuízo de trabalhadores essenciais para a conservação da natureza e das florestas", refere o SNPC no comunicado.

"É urgente reconhecer a valorização dos vigilantes da natureza revendo a sua carreira profissional com salários justos", conclui.

Lusa