Pesquisar notícia
terça,
21 set 2021
PUB
Sociedade

COVID-19: Testes na Misericórdia de Mação foram todos negativos

18/06/2020 às 00:00
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

Depois de há duas semanas ter sido detetado um caso positivo de COVID-19 em Mação, numa funcionária da Santa Casa da Misericórdia local, a instituição e as autoridades de saúde avançaram com a realização de testes a todos os funcionários e utentes da instituição.

Ao longo de uma semana as autoridades de saúde estiveram no local e terão feito mais de uma centena de testes para de detetar a existência de outros casos de CODI-19. Os resultados foram chegando e, de acordo com Maria dos Anjos Esperança, coordenadora da Unidade de Saúde Pública do ACES Médio Tejo, havia boas notícias. Os testes que iam chegando ao ACES do Médio Tejo davam todos o mesmo resultado: negativo.

Esta tarde a Santa Casa da Misericórdia de Mação emitiu uma nota, que divulgou igualmente na sua página oficial do Facebook, a dar a informação de que todos os testes, a funcionários e utentes do lar, tinham sido negativos.

A Mesa Administrativa agradece a todos, funcionários e familiares, os constrangimentos que uma situação destas acarreta, mesmo que seja apenas do ponto de vista psicológico, face aquilo que tem sido a pandemia em Portugal.

De igual forma os responsáveis da Misericórdia agradecem o empenho da Unidade de Saúde Pública do Médio Tejo, ao médico Novais Tavares e ao presidente da Câmara Municipal de Mação, Vasco Estrela.

De referir que, segundo os dados de hoje da Unidade de Saúde Pública do Médio Tejo, o concelho de Mação tinha cinco casos de pessoas infetadas com o SARS-COV-2 e outras cinco como vigilâncias ativas. Ou seja, pessoas que têm de estar em isolamento porque tiveram contacto com pessoas que estão ou estiveram infetadas. Os dados de Mação indicam ainda que há uma pessoa recuperada da doença no concelho de Mação.

De referir que a área do ACES do Médio Tejo regista a 18 de junho um total de 230 infetados, dos quais 137 já recuperaram da doença. Há também o registo de 40 pessoas em vigilância ativa e ainda de 14 óbitos.