Pesquisar notícia
sexta,
17 set 2021
PUB
Sociedade

Sardoal: Alcaravela arranca com valência de Lar num “ato de amor”

11/03/2021 às 09:00
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

Com recurso ao crédito e com o apoio de uma candidatura ao Programa “Centro 2020”, a Associação de Assistência e Domiciliária de Alcaravela passa a ter a resposta social ERPI.

“É um sonho, é o paraíso”. É com estas palavras que o Presidente da Direção da Associação de Assistência e Domiciliária de Alcaravela (AADA), Manuel Bento, descreve estes dias.

A AADA tem, desde o início deste mês, a nova valência de Lar, ou seja, é uma Estrutura Residencial para Pessoas Idosas. É de lágrimas nos olhos e de voz embargada que Manuel Bento e Jorge Gaspar, presidente da Mesa da Assembleia Geral da Instituição, nos recebem e falam deste projeto. Nas suas palavras, percebe-se o amor e o carinho que dedicam a esta casa. “É um ato de amor”, ouvimos dizer.
Dado o envelhecimento da população do concelho de Sardoal e a pouca oferta da resposta social de Estrutura Residencial para Pessoas Idosas (ERPI), “era absolutamente fundamental e urgente a Instituição passar a ter também esta resposta social”, afirma Jorge Gaspar, presidente da Mesa da Assembleia Geral da Instituição.

“Por outro lado”, acrescenta, “sem esta resposta de ERPI, a AADA teria, indiscutivelmente, a sua sustentabilidade e existência comprometidas a muito curto prazo, porque os utentes do Centro de Dia e Serviço de Apoio Domiciliário, ao verificarem a impossibilidade da Instituição lhes garantir a continuidade do acompanhamento quando estivessem com maior dependência, acabariam por procurar outras soluções, fora da sua terra e longe das suas famílias, onde a resposta ERPI lhes pudesse ser assegurada”.

Jorge Gaspar, Telma Vitorino e Manuel Bento

Ora, isso era algo que todos queriam evitar. Os idoso e os seus familiares por não quererem sair da sua terra, e a AADA por não querer ver sair aqueles de quem tem cuidado ao longo dos anos. Perante esta situação, “e não havendo recursos financeiros para um aumento de capacidade das instalações como seria desejável”, a Instituição elaborou um projeto para a adaptação e aproveitamento da capacidade sobrante das suas instalações, para a resposta social ERPI, exclusivamente no edifício existente, sem alteração da sua área de implantação.

Com este propósito, o projeto inicial incidia apenas no piso inferior do edifício, com a construção de 5 quartos (1 individual, 3 duplos e 1 triplo, num total de 10 camas) e dependências de apoio direto aos mesmos.

No entanto, para que o mesmo obtivesse o parecer favorável do Instituto da Segurança Social (ISS), foi necessário incluir no projeto a melhoria de todo o edifício existente (dois pisos), ao nível das acessibilidades, condições de trabalho e segurança contra incêndios.

Com o projeto “Adaptação do Centro de Dia e Remodelação para ERPI” aprovado pelo ISS, mas sem capacidade financeira para concretizar a obra, a AADA submeteu uma Candidatura ao Programa Operacional Regional “Centro 2020” para a parte da “Adaptação do Centro de Dia”, que viu aprovada com um financiamento de cerca de 57.137 euros.

Foi com este “precioso apoio” do “Centro 2020” e com recurso a um empréstimo bancário de 170.000 euros, que a Instituição levou a cabo a empreitada entre janeiro e setembro de 2020, e até final do ano foi possível proceder ao apetrechamento das instalações da nova ERPI.

Após a fase final do licenciamento por parte do ISS, está previsto para o dia 8 de março o arranque desta nova resposta social.

A Direção da AADA sublinha que, para além da candidatura e do recurso ao crédito, só foi possível ter condições para iniciar a nova resposta social ERPI, porque ao longo de todo o processo, “a Instituição contou com a generosidade de diversas pessoas e instituições, através de donativos, quer em dinheiro, quer em espécie”. Refere que todas as ajudas foram muito importantes, mas salienta o apoio do Rotary Club de Abrantes, que ofereceu quatro camas completas e o empréstimo sem juros de 20.000 euros de alguns sócios, para apoio de tesouraria durante a obra.

No sentido de obter Acordos de Cooperação da Segurança Social para a resposta social ERPI, a AADA efetuou uma candidatura ao programa PARES 3.0 e aguarda “ansiosamente” a sua aprovação, para dessa forma ser possível baixar o valor das mensalidades tornando-as acessíveis às pessoas com menores rendimentos.

A Associação possui neste momento 12 utentes em Centro de Dia, 27 utentes em Serviço de Apoio Domiciliário, e a partir deste mês, passará a ter capacidade para 10 residentes em ERPI.

Para garantir este serviço, a AADA tem no seu quadro 10 trabalhadoras e com esta nova resposta social, passará a ter 14.

“Infelizmente”, por via da pandemia da Covid-19 e do encerramento dos Centros de Dia, a AADA tem todos os seus utentes domiciliados, tendo por isso sido possível fazer uma visita às suas instalações, onde é notório o ambiente familiar e acolhedor da Instituição.

Na opinião de Jorge Gaspar, “a seguir à sua inauguração, este é sem dúvida, o marco mais importante na história da Instituição”. Referindo que faz questão de colaborar e acompanhar de muito perto a Direção, salientou que tudo isto estava a ser possível, por dois motivos: primeiro, porque a AADA tinha a “sorte” de ter uma Direção constituída por pessoas, que, “com grande dedicação e invulgar disponibilidade, estão presentes diariamente e gerem a Instituição com grande rigor, responsabilidade e sempre com o foco no equilíbrio entre a excelência do serviço e a sustentabilidade financeira”; e segundo, porque “o profissionalismo das colaboradoras ao longo destes 16 anos, fez com que a qualidade do serviço prestado pela Instituição seja amplamente reconhecida, levando as pessoas a ajudar a Associação”. O mesmo é confirmado pela diretora técnica, Telma Vitorino, que também fala dos últimos tempos com alguma tristeza por não poder contactar com “os seus idosos” e vê nesta nova valência mais uma forma de poder chegar junto dos idosos que já frequentavam a Instituição mas que agora poderão “ser acarinhados” 24 horas por dia.

Já Manuel Bento reconhece a dedicação e o amor de Jorge Gaspar a esta causa e afirma, vezes sem conta que “isto não seria possível sem este senhor”.

A Associação de Assistência e Domiciliária de Alcaravela (AADA) é uma IPSS com sede em Santa Clara, freguesia de Alcaravela, concelho de Sardoal. Foi constituída em 28 de abril de 1990, registada na Direção-Geral de Ação Social em 27 de maio de 1991 e desenvolve desde 15 de maio de 2005, as respostas sociais de Centro de Dia (CD) e Serviço de Apoio Domiciliário (SAD).

Juntamente com outras IPSS da nossa região, participa no Programa Operacional de Apoio às Pessoas Mais Carenciadas e é a Entidade Coordenadora Local de Parceria do CLDS 4G “SER Sardoal”.

Patrícia Seixas