Pesquisar notícia
sábado,
18 set 2021
PUB
Sociedade

Mau tempo: queda de árvores e inundações em Abrantes, alerta laranja no distrito (atualizada às 22h00 - Com vídeo)

19/12/2019 às 00:00
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

A depressão Elsa já provocou milhares de ocorrências em todo o país, com maior gravidade no norte. Na região do Médio Tejo, para além de inundações de ruas e estradas, verificaram-se dezenas de quedas de árvores em todo o distrito.

Segundo o meteorologista Hélder Silvano, responsável pelo site meteoabrantes.pt, a situação vai manter-se complicada até às 01h00 de sexta-feira, devendo acalmar a partir daí até à parte da tarde de sexta-feira, altura em que se espera novamente um agravamento da situação.

Veja abaixo as últimas atualizações:

Às 21h45 minutos a situação mais complicada na região de Abrantes é em Rio de Moinhos onde os Bombeiros Voluntários de Abrantes estão a proceder à evacuação de algumas pessoas devido ao transbordo da "Ribeira Velha", como é conhecida.

Segundo o comandante dos Bombeiros de Abrantes, António Manuel de Jesus, algumas pessoas na zona central de Rio de Moinhos, junto à Estrada Nacional 3, estão a sofrer danos com a água a entrar nas lojas e habitações, face ao transbordo da Ribeira. António Manuel de Jesus indicou que algumas pessoas estão a ser deslocadas temporariamente para casa de familiares e outras para o quartel dos Bombeiros, em Abrantes. “São situações temporárias e de prevenção”, salientou o comandante referindo que esta é a situação mais grave no concelho de Abrantes.

 

António Manuel de Jesus confirmou que já foram chamados a cerca de meia centena de ocorrências no concelho, sendo que a queda de árvores e pequenas inundações da via pública são as situações mais recorrentes. Confirmou ainda que há danos leves em viaturas devido à queda de ramos de árvores. Estas ocorrências aconteceram na zona da Escola Secundária Dr. Solano de Abreu e no parque de estacionamento dos Quinchosos.

O comandante dos Bombeiros de Abrantes lamentou ainda que nalguns casos chamem os bombeiros para quedas de árvores e depois são ramos pequenos que qualquer pessoa tira da via. São deslocações que acabam por fazer os homens andar a correr de um lado para o outro.

A depressão Elsa continua a fazer estragos em todo o país, principalmente no norte do país. Está previsto que o tempo melhore amanhã, mas para sábado já se anuncia a depressão Fabien que deverá ser mais fraca do que esta que está a afetar o país.

21h00 em briefing a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil revelou que ficaram hoje desalojadas no continente português na sequência do mau tempo, indicou a Proteção Civil. A ANEPC contabilizou cerca de 4.200 ocorrências desde as 15:00 de quarta-feira. Estas ocorrências referem-se sobretudo a inundações e quedas de árvores, com o distrito do Porto a ser o mais atingido.

A queda de uma árvore, no Montijo (distrito de Setúbal), e o desabamento de uma casa, em Castro Daire (distrito de Viseu), fizeram hoje dois mortos.

Já na rede elétrica os danos devido ao mau tempo "são muito significativos, havendo 125 linhas de alta e média tensão afetadas", divulgou hoje a EDP Distribuição, que conta com 1.200 operacionais apoiados por 700 viaturas.

Em comunicado, a EDP Distribuição refere que "face ao agravamento das condições atmosféricas […] reforçou as suas equipas operacionais no terreno, encontrando-se, neste momento, cerca de 1.200 operacionais com o apoio de 700 viaturas a realizar os trabalhos de reposição do fornecimento de energia elétrica, debaixo de condições meteorológicas adversas, em particular fortes rajadas de vento e chuvas intensas".

Porto, Braga, Coimbra, Viana do Castelo e Vila Real são "as zonas mais fustigadas" pela depressão Elsa.

21:15 - O centro da cidade de Abrantes está sem luz. Pelas redes sociais são vários os habitantes que dão conta da falha de eletricidade.

Por esta hora, em Rio de Moinhos (Abrantes), a ribeira de Abrançalha galgou as margens e provocou a inundação da zona baixa da localidade. O trânsito nessa zona está interdito ao trânsito. Na Avenida Dr Santana Maia, em Abrantes (perto do Hospital) continua a árvore na via, sentido ascendente, o que impede a circulação do trânsito. 

19:55 - Damos conta de registo de inundação em Atalaia, Vila Nova da Barquinha. Registo da Proteção Civil.

Pelas 19:50 damos conta de que entre Crucifixo e Santa Margarida, na EN118, existem várias árvores caídas pela via, estando no local membros da Infraestruturas de Portugal a fazer limpeza.

19:14: Damos conta de um pinheiro caído entre o cruzamento do Cemitério do Tramagal e a Mitsubishi Fuso Truck Europe, em Tramagal. Também em Martinchel, na saída para Abrantes, uma árvore caiu.

Pelas 18:40, entre o Crucifixo (Abrantes) e Constância, na EN118, bem como em Arreciadas (na estrada entre esta localidade e Vale Zebrinho) e em Bicas, bem como em concelhos vizinhos, como em Constância (Santa Margarida e Malpique) são várias as árvores e ramos caídos pelas estradas.

Segundo o site da Proteção Civil, há também registo de queda de uma árvore em São Miguel do Rio Torto (Abrantes) e ocorrência de uma derrocada entre São Miguel e Tramagal. Destaque ainda para danos em redes de fornecimento elétrico em Alcaravela (concelho de Sardoal) e de inundação em Chão das Maias (Sardoal).

Por esta hora, damos ainda conta de que em Mouriscas (Abrantes) a Rua do Caminho Municipal junto ao cemitério de Mouriscas vai ficar interdita devido à possibilidade de queda de postes da PT. A informação foi avançada pela Junta de Freguesia de Mouriscas.

A Proteção Civil regista também no seu site a existência de uma situação de inundação em Vila Nova da Barquinha.

Às 17:47, continuava encerrada à circulação a Rua Visconde de Abrançalha, junto à Escola Secundária dr. Solano de Abreu, em Abrantes. A queda de árvores terá atingido alguns veículos que ali se encontravam estacionados.

Depois de uma manhã e inicio de tarde relativamente calmos, a tarde veio agravar as condições do estado do tempo e as ocorrências no concelho de Abrantes. Pelas 17h20 os Bombeiros de Abrantes estavam a ser chamados para várias situações com quedas de árvores, placard's publicitários e acidentes, mas tudo sem gravidade.

Destaca-se na freguesia de Mouriscas a queda de uma árvore de grande porte na antiga escola primária, nos Engarnais, na atual sede do Grupo Etnográfico "Os Esparteiros" que estava às 17h00 a causar impedimento da circulação na Rua Caminho Municipal 1221.

Em Abrantes, pelas 14h30, depois de uma manhã de relativa acalmia, os Bombeiros tinham sido chamados para três ocorrências relacionadas com quedas de árvores.

No Tramagal, na Estrada Nacional 118 entre a vila e a localidade do Crucifixo caiu um sobreiro que provocou a interrupção do trânsito como mostra a foto de José Góis, partilhada nas redes sociais.

Os bombeiros foram ainda chamados ao Pego, zona de Coalhos, onde caiu uma árvore numa estrada secundária e no Carril (Souto) onde vários pinheiros de médio porte estavam a cair para a estrada.

Há registo ainda de um poste de eletricidade na Av. 14 de Junho, em Abrantes, próximo das bombas de combustível do Pingo Doce. no local, cerca das 15h30, estava uma viatura da PSP a sinalizar a zona de perigo.

Cerca das 11h15 apenas de tinham verificado inundações em estradas e ruas, naqueles que são os pontos críticos da cidade.

"Quando chove assim muito, nós temos o cuidado de dar uma volta à cidade e tivemos uma situação em Vale de Rãs, mas não está qualquer tipo de estrada cortada. Entretanto, a água começou a escoar", referiu o comandante que acrescentou que "não recebemos qualquer chamada demais".

Pelas 12h45, voltámos a estabelecer contacto com o comandante dos Bombeiros Voluntários de Abrantes, o qual nos deu conta de que o trânsito continuava a circular com normalidade na cidade, apesar das condicionantes de algumas zonas com acumulação de águas.

Para além dos pontos críticos habituais aquando da precipitação intensa, como a rotunda do Olival (Alferrarede), a zona de acesso ao Hospital de Abrantes - Espinhaço de Cão, e a Avenida António Farinha Pereira (junto ao antigo edifício da Junta de Freguesia de Alferrarede e zona do café Três Coroas), regista-se a zona de Vale de Rãs.

 Fotogaleria:

Av. António Farinha Pereira, 19/12/2019 (11h30)

Imagem de satélite, 19/12/2019 (14h00)

Imagem radar meteorológico, 19/12/2019 (17:10)

Imagem meteorológica IPMA 19/12/2019 (19:00)

EN 118 entre Crucifixo e Santa Margarida Foto: José Góis

 

Situação em Rio de Moinhos, Abrantes (21:24- Fotos de Ana Sofia Caldelas e Ana Cristina) 

 

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil emitiu na quarta-feira um aviso à população por causa do agravamento das condições meteorológicas, com precipitação forte e persistente, vento forte nas terras altas e agitação marítima forte em toda a costa.

No aviso à população, a Proteção Civil alerta para a possibilidade de "inundações rápidas em meio urbano e de formação de lençóis de água na estrada, além da queda de ramos de árvores, danos em estruturas montadas ou suspensas".

Entre os cuidados a ter está a redução da velocidade se for conduzir, bem como evitar passar por locais inundados para evitar situações de arrastamento.

Já o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) tem activo para esta quinta e sexta feira o alerta laranja no distrito de Santarém, devendo reduzir para o nível amarelo no sábado.

 

Ana Rita Cristóvão, Jerónimo Belo Jorge e Patrícia Seixas