Pesquisar notícia
terça,
21 set 2021
PUB
Sociedade

Incêndio de lar no Rossio: ferido mais grave morre, três tiveram alta e três continuam internados

6/02/2020 às 00:00
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

Faleceu esta quarta-feira, 5 de fevereiro, a idosa que tinha ficado ferida no incêndio num lar de idosos em Rossio ao Sul do Tejo no dia 27 de janeiro.

A Antena Livre conseguiu saber junto de fonte do Centro Hospitalar do Médio Tejo que das vítimas internadas na unidade de Abrantes, dois tiveram alta no próprio dia e um teve alta na passada segunda feira, ou seja uma semana depois do incêndio. Neste momento, ainda segundo a mesma fonte, um dos feridos do incêndio no lar de Rossio ao Sul do Tejo mantém-se internado no Serviço de Medicina. Ao que conseguimos saber o doente que tinha sido transferido para o Hospital de São João, no Porto, já regressou ao Centro Hospitalar do Médio Tejo, tendo sido transferido ontem para a Unidade Hospitalar de Tomar. A vítima que tinha sido transferida de helicóptero para o Hospital S. Francisco Xavier, em Lisboa, teves alta já este mês.

A outra vítima que tinha sido transferida para o Hospital de S. José, soube-se ontem, faleceu na quarta-feira, 5 de fevereiro. Esta idosa, 79 anos natural da União das Freguesias de Alvega e Concavada e a residir no Pego, tinha sito transferida via aérea para Lisboa por apresentar um quadro clínico grave com 65 a 75% de queimaduras no corpo.

No dia do incêndio (27 de janeiro), Ana Rita Cardoso, diretora do Serviço de Urgência do Centro Hospitalar do Médio Tejo, disse que "dos sete feridos que deram entrada no hospital de Abrantes, seis são considerados graves, sendo três deles por queimaduras e outros três por inalação de monóxido de carbono”. A médica esclareceu ainda que os três feridos graves tiveram de ser transferidos para os hospitais de São Francisco Xavier e São José (Lisboa) e São João (Porto) por serem as situações que inspiravam mais cuidados. A diretora do serviço de urgência do hospital de Abrantes acrescentou ainda que uma das vítimas transferidas para Lisboa, uma idosa com 79 anos, apresentava "um quadro clínico muito grave com 65% a 70% do corpo com queimaduras de 2º e 3º grau".

O fogo, que terá começado numa manta que estava em cima de um aquecedor, levou a que os 18 utentes do lar que funcionava numa moradia tivessem sido evacuados. 11 foram para o bar do Kartódromo de Abrantes, que serviu de apoio às operações, enquanto que os feridos mais graves foram tratados nas ambulâncias do INEM no local e, posteriormente, evacuados para a unidade de Abrantes do Centro Hospitalar do Médio Tejo. Ainda segundo a médica da urgência, os outros dois idosos, com 78 e 82 anos, que também foram transferidos para as unidades hospitalares centrais (São Francisco Xavier, em Lisboa, e São João, no Porto), um de helicóptero e um outro de ambulância de Suporte Imediato de Vida (SIV), apresentavam um quadro clínico estável, mas com "queimaduras nas vias áreas". Os restantes quatro idosos, todos com idades entre os 75 e os 89 anos, estavam “estabilizados e em observação e vigilância" no serviço de urgência da unidade hospitalar de Abrantes.