Pesquisar notícia
sábado,
18 set 2021
PUB
Sociedade

Feira Nacional de Doçaria Tradicional adoça Abrantes de 27 a 29 de outubro

30/09/2017 às 00:00
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

Abrantes vai ficar mais doce entre 27 e 29 de outubro, no âmbito da 16.ª Feira Nacional de Doçaria Tradicional. Uma das novidades deste ano é a localização do evento, que abandona o Mercado Criativo (antigo Mercado Diário) para adoçar os visitantes no Jardim da República, igualmente no centro histórico da cidade. 

À semelhança dos anos anteriores, a Feira juntará num mesmo espaço doces ícones de norte a sul do país e, durante os três dias, a animação vai ser uma constante, com demonstrações culinárias, oficinas de doçaria, espetáculos destinados ao público infantil e música tradicional portuguesa, com a realização do IV Encontro de Música Tradicional Portuguesa, em parceria com o Orfeão de Abrantes. Para equilibrar o excesso de açúcar, haverá uma caminhada pelo Centro Histórico de Abrantes, no dia 28, às 21:00, e um passeio de BTT, no dia 29, a partir das 09:00.

Para esta edição, a organização da Feira de Doçaria revela que são muitos os doces presentes: as cristas de galo e os pitos de Santa Luzia de Vila Real; os coscoréis da Sertã; as brisas do Tâmega e queijadinhas S. Gonçalo de Amarante; os rebuçados de ovo de Portalegre; o bolo fidalgo, a encharcada e o bolo rançoso; o pão-de-ló de Margaride de Felgueiras; o pão-de-ló Ovar; as cornucópias de Alcobaça; os ovos-moles de Aveiro; os pastéis de Tentúgal; as malassadas e bolos levedos dos Açores a par das afamadas Tigelas e Palha de Abrantes, entre muitas outras iguarias a que se juntam licores, mel e compotas.

A Feira Nacional de Doçaria Tradicional, organizada pela Câmara Municipal, em colaboração com a TAGUS – Associação para o Desenvolvimento Integrado do Ribatejo Interior, realiza-se em Abrantes desde 2002, com o “objetivo de promover e valorizar a rica doçaria tradicional e conventual de todo o país, colocando os doces tradicionais locais, fator crucial da economia local, junto de outros ícones portugueses”.