Pesquisar notícia
domingo,
19 set 2021
PUB
Sociedade

Covid-19: No primeiro confinamento as crianças dormiram mais, mexeram-se menos e irritaram-se muito

11/02/2021 às 11:11
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

O número de horas de sono no primeiro confinamento aumentou entre as crianças e jovens portugueses, mas também o sedentarismo, a ansiedade e irritabilidade, ainda que menos do que entre os congéneres espanhóis e italianos.

As conclusões constam de um estudo da Universidade Católica, sobre o impacto da pandemia nas crianças e jovens, ontem apresentado numa sessão ‘online’ pela coordenadora do projeto e professora da instituição, Rita Francisco, que disse não haver ainda dados suficientes para explicar o menor ‘stress’ psicológico entre as crianças e jovens portugueses em comparação com espanhóis e italianos, mas avançando como possível explicação o facto de a primeira fase da pandemia ter sido menos grave em Portugal do que em Espanha e Itália.

Em comentário aos resultados do estudo, a vice-presidente da Ordem dos Psicólogos, Renata Benavente, salientou que esta questão deve merecer especial atenção na segunda parte do estudo, ainda a decorrer e a recolher dados desde janeiro em relação ao segundo período de confinamento, ressalvando que esta fase está a ser particularmente grave em Portugal, sendo necessário perceber de que forma isso se reflete a nível comportamental e psicológico em comparação com os restantes países em estudo.

Defendeu ainda que será importante perceber como a pandemia vai condicionar o desenvolvimento dos “futuros adultos” e a consolidação de competências, sendo necessário também perceber os impactos das perdas e dos processos de luto que atingem um grande número de famílias.

O estudo, com incidência em Portugal, Espanha e Itália, inquiriu ‘online’ 320 pais e mães (maioritariamente mães e maioritariamente portuguesas) de 442 crianças e jovens entre os três e os 18 anos, obtendo respostas sobre os efeitos psicológicos negativos do primeiro período de confinamento, que em Portugal se prolongou do final de março a início de maio do ano passado.

Segundo o estudo, os efeitos sentidos no sono foram particularmente notórios nas crianças em idade pré-escolar (3 a 5 anos) e entre aquelas que dormiam menos de oito horas por noite em dias de semana, mas em média, crianças e jovens aumentaram o tempo média de horas de sono de nove para dez.

Por outro lado, aumentou o sedentarismo, com mais tempo passado em frente a ecrãs e com a maioria do universo abrangido no estudo a praticar até uma hora de atividade física diária.

Antes da pandemia, a percentagem de crianças e jovens com mais de uma hora de atividade física diária era superior a 50% do universo do estudo, segundo as respostas dos pais. No confinamento menos de 25% das crianças e jovens praticava mais de uma hora de exercício diário.

Preocupação, agitação, mas sobretudo irritação, foram os sintomas de alterações emocionais e de comportamento mais indicadas. A instabilidade emocional, com episódios de choro e zangas, foi mais frequente nas crianças em idade pré-escolar. Entre os seis e 12 anos os pais notaram maiores dificuldades de concentração, ansiedade e propensão a discussões familiares. Já os adolescentes foram os que mostraram maior preocupação face ao futuro e em relação à infeção por covid-19.

Houve mais perguntas sobre a doença e sobre a morte e preocupação com a falta de contactos sociais - com amigos e colegas - e familiares, nomeadamente com os avós. As crianças e jovens manifestaram também preocupação e incerteza em relação ao futuro, particularmente os adolescentes em idade de exames nacionais, preocupados com o acesso ao ensino superior.

O inquérito aos pais mostrou também que a passagem do tempo ajudou os mais novos a lidar com a pressão e ansiedade criada pela pandemia, desenvolvendo estratégias para lidar com a situação, como sejam o recurso ao humor, a aceitação e perceção de vantagens de estar em casa, entre os mais velhos, e a procura de afeto junto da família ou a verbalização de emoções e frustrações junto dos mais velhos, no caso das crianças mais pequenas. Estas estratégias acentuaram-se nas últimas semanas do comportamento.

O estudo destaca ainda o peso de variáveis como as condições de habitação na manifestação de alterações emocionais e comportamentais, mostrando que a existência de terraços e jardins nas habitações diminui a incidência dessas alterações pela exposição ao sol e ar livre. Não ter irmãos para brincar, por exemplo, também provoca alterações de humor.

Há ainda referência às consequências para os pais, o modelo de comportamento dos filhos, sugerindo-se uma monitorização de comportamentos e saúde mental dos pais para diminuir as alterações psicológicas nas crianças.

A este respeito, Renata Benavente referiu os impactos negativos da conciliação difícil entre teletrabalho e assistência aos filhos em ensino à distância, dizendo que a pressão sobre os pais se reflete no bem-estar das crianças e jovens.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.341.496 mortos no mundo, resultantes de mais de 106,8 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 14.718 pessoas dos 774.889 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Lusa