Pesquisar notícia
sexta,
24 set 2021
PUB
Sociedade

Abrantes: Jornadas de História Local enaltecem as tradições e lançam nº 32 da Zahara

10/12/2018 às 00:00
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

O Centro de Estudos de História Local de Abrantes (CEHLA) organizou, no passado dia 7 de dezembro, as XVI Jornadas de História Local, no Edifício Pirâmide, em Abrantes.

O evento teve como objetivo estimular a divulgação da cultura popular da região, expandir o conhecimento da história e estabelecer laços de cooperação entre interessados pela história local.

Entre os vários momentos, o dia foi marcado pelo lançamento da 32ª edição da Revista de História Local - Zahara, pelos discursos de Teresa Aparício, José Alves Jana e José Martinho Gaspar, do CEHLA, referentes ao tema “Cultura e Património Populares”. A ação também ficou marcada pela apresentação da plataforma “Wiki Médio Tejo” por Francisco Lopes e Rui Duarte, sendo esta uma enciclopédia digital que reúne informação dos 13 concelhos do Médio Tejo.

Ao longo do dia, foram apresentadas reflexões sobre vários temas como “As Tradições de Tancos”, as “Tradições do Tejo na Ortiga”, o “Ciclo da Resina e Resineiros”, os “Carvoeiros do Pego”, e “Santiago de Montalegre: A História, as Lendas, as Gentes”, havendo ainda espaço para a apresentação de várias obras ligadas à cultura popular da região.

Em jeito de balanço, José Martinho Gaspar, presidente do CEHLA, referiu à Antena Livre que as Jornadas de História Local foram “muito positivas, porque, ao longo do dia, esteve muita gente e também porque a temática foi sobretudo sobre o património imaterial e os aspetos ligados às tradições e à cultura popular”.

O historiador salientou que foi muito importante o “entusiamo por parte das pessoas” em relação às temáticas apresentadas e que o evento superou as expectativas.

Em relação aos destaques do dia, o presidente do CEHLA realçou os momentos que tiverem uma “componente mais prática”, destacando assim o tema das “Tecedeiras”, onde foi possível “ver os instrumentos que elas utilizavam e os Resineiros, onde se explicou como se tirava a resina e todo o processo”, tendo sido estes alguns dos momentos que conferiram maior entusiasmo no público presente.

O responsável falou também sobre o lançamento do nº 32 da Zahara, explicando que esta publicação “segue mais ou menos a linha daquilo que temos vindo a fazer noutras edições”. Destacou a matéria sobre o “Convento de São Domingos” e “um documento” [sobre o convento] que até aos dias de hoje era “inédito” e que esclarece “alguns aspetos relativos a um monumento bastante importante aqui em Abrantes”.

Na Zahara é possível encontrar um outro trabalho sobre a Filarmónica de Sardoal. “Uma instituição com mais de 150 anos e que é uma instituição marcante na região. E, depois, todos os outros artigos sobre a tradição oral que aqui estão na Zahara, que continua a fazer o seu caminho de seis em seis meses”, acrescentou José Martinho Gaspar.

No final do evento, cada participante recebeu um certificado de presença, numa saudação coletiva à memória e à história da região.

Alguns dos colaboradores do nº 32 da Revista de História Local Zahara

Nélio Dias