Pesquisar notícia
sexta,
24 set 2021
PUB
Região

Médio Tejo: Já morreram 307 pessoas vítimas da Covid-19 (C/ÁUDIO)

9/02/2021 às 19:36
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

O primeiro caso de Covid-19 foi registado pelo Agrupamento de Centros de Saúde do Médio Tejo em 16 de março de 2020. Ainda no mesmo mês, lamentavam-se os primeiros óbitos na região, vítimas da Covid-19.

Esta terça-feira, a Saúde Pública do Médio Tejo voltou a publicar o número de óbitos por concelho, visto a informação já poder ser disponibilizada, uma vez que todos os concelhos já registam três ou mais óbitos. No dia 9 de fevereiro de 2021, o Médio Tejo regista um total de 307 mortes por Covid-19.

Maria dos Anjos Esperança explicou à Antena Livre que esta informação não era pública “porque até aqui tínhamos concelhos que não registavam o número mínimo que a Proteção de Dados permite que se possa publicar, que são três”. A delegada de Saúde acrescentou que “a partir de agora – porque infelizmente todos os concelhos já têm três ou mais óbitos – nós passamos a publicar”.

A informação agora também já é recebida pela Saúde Pública “com certificado de óbito, vindo da Direção-Geral da Saúde” e essa é uma informação relevante visto haver óbitos de pessoas infetadas mas em que “a Covid-19 possa não ter sido a principal causa da morte”.

Maria dos Anjos Esperança

O concelho com maior mortalidade no Médio Tejo é o concelho de Ourém (69), seguido do de Abrantes (57) e Torres Novas (54). Há ainda a registar vítimas em Tomar (39) e Alcanena (31). Todos os restantes concelhos estão abaixo das duas dezenas, sendo que se registam casos de óbitos em Entroncamento (18), Mação (13), Ferreira do Zêzere (12), Vila Nova da Barquinha (7), Sardoal (4) e Constância (3).

Relativamente ao rácio nacional, o número de óbitos no Médio Tejo é menor mas, para fazer essa consideração, “teríamos que entrar em linha de conta com as faixas etárias onde têm ocorrido. Apesar de termos esses dados, não os publicamos”.

Para Maria dos Anjos Esperança “um só” óbito “já seria muito” mas, acrescentou, “podemos dizer que em 12.216 casos que tivemos até hoje, temos apenas 307 óbitos”.