Médio Tejo com mais 50 casos e Delegada de Saúde espera Páscoa fechada (C/ÁUDIO)

2021-02-13

 

O Médio Tejo tem este sábado um registo de mais 50 novos infetados e passa a ter um total acumulado de 12 378 pessoas que acusaram positivo nos testes PCR para despistar a presença do SARS-Cov-2 no organismo.

Estes 50 casos estão localizados, de acordo com o relatório epidemiológico da Unidade de Saúde Pública do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Médio Tejo em Abrantes (2), Alcanena (3), Constância (1), Entroncamento (3), Ferreira do Zêzere (1), Ourém (10), Tomar (28), Torres Novas (1) e Vila Nova da Barquinha (1).

Ainda de acordo com o relatório deste sábado há a registar um total de 9 160 casos de pessoas que recuperaram da infeção provocada pelo SARS-Cov2. Já o número de pessoas que morreram com Covid-19 o Médio Tejo continua a ser 307.
Nas vigilâncias ativas, a autoridade de saúde do Médio Tejo indica que tem 339 pessoas em isolamento profilático por serem contactos diretos de infetados. Estas pessoas têm obrigação de recolhimento em casa estão localizadas em Abrantes (47), Alcanena (52), Constância (6), Entroncamento (22), Ferreira do Zêzere (4), Mação (27), Ourém (77), Sardoal (6), Tomar (41), Torres Novas (51) e Vila Nova da Barquinha (6).

Com os dados deste sábado o Médio Tejo tem um registo de 2 641 casos ativos. Neste território os casos ativos por concelho estão distribuídos da seguinte forma: Abrantes (361), Alcanena (280), Constância (5), Entroncamento (74), Ferreira do Zêzere (112), Mação (6), Ourém (234), Sardoal (4), Tomar (914), Torres Novas (637) e Vila Nova da Barquinha (14). 

Nuno Catorze, diretor da Unidade de Cuidados Intensivos do Centro Hospitalar do Médio Tejo defendeu na quinta-feira, Dia Mundial do Doente, que esta Páscoa vai ter de ser ainda muito fechada. Diz o médico, que coordenada a unidade Covid do CHMT, que não poderemos abrir a sociedade como no Natal para não virmos a ter surpresas depois desse período. Aliás, o médico, continua a fazer o apelo que sempre fez, que é para usar a máscara e para ficar em casa.

Maria dos Anjos Esperança, coordenadora da Unidade de Saúde Pública do Médio Tejo, defende que a Páscoa vai ter de ser mais fechada que o Natal para que a sociedade ajude a que os hospitais possam estar um bocadinho melhor, com menos pressão. Neste momento, a médica de saúde pública diz que temos de ter uma Páscoa mais fechada para ver “se temos um verão um bocadinho normal”.

Maria dos Anjos Esperança diz ainda que temos de ter muito cuidado com o desconfinamento que aí virá para não termos situações como aconteceram em dezembro, com os reflexos em janeiro.

Maria dos Anjos Esperança

Como estamos no fim-de-semana do Carnaval, e apesar de estarmos em confinamento, a Unidade de Saúde Pública divulgou nas redes sociais um cartaz com uma mensagem forte que aponta este período do ano e a pandemia em que vivemos. Um segundo cartaz aponta a uma imagem de ambulâncias à porta de um hospital. Ou seja, este devemos, diz a médica, de respeitar a 100% as indicações e guardar qualquer tipo de festejo desta época para 2022.


O ACES Médio Tejo abrange a área territorial de 11 municípios com cerca de 235 mil utentes. Abrange as unidades de saúde de Abrantes, Alcanena, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Mação, Ourém, Sardoal, Tomar, Torres Novas e Vila nova da Barquinha, numa área territorial de 2.706,10 Km's quadrados.