COVID-19: Médio Tejo soma mais 14 infetados

2020-10-14

O Médio Tejo registou esta quarta-feira mais 14 pessoas infetadas com o coronavírus, tendo chegado a um total acumulado de 830 pessoas com SARS-COV-2. De acordo com o relatório epidemiológico do Agrupamento de Centros de Saúde do Médio Tejo, estes 14 novos casos foram registados no Entroncamento (4) e em Ourém (10).

De referir que no relatório desta quarta-feira houve a nota de mais 12 pessoas que recuperaram da doença, 7 no concelho de Abrantes e 5 no concelho de Ourém. Os recuperados da infeção provocada pelo coronavírus são agora 502.

No que diz respeito às vigilâncias ativas, a saúde pública do Médio Tejo tem 211 pessoas em vigilância, um número superior ao de terça-feira que era 206. Estas pessoas que têm obrigação de isolamento profilático estão localizadas em Abrantes (15), Alcanena (20), Constância (11), Entroncamento (33), Ferreira do Zêzere (2), Mação (1), Ourém (47), Sardoal (2), Tomar (32), Torres Novas (42) e Vila Nova da Barquinha (6).

 

Quantos aos casos ativos de infeção, registam-se, por concelhos, em Abrantes (30), Alcanena (9), Constância (4), Entroncamento (113), Ferreira do Zêzere (1), Mação (17), Ourém (57), Sardoal (3), Tomar (42), Torres Novas (44) e Vila Nova da Barquinha (8).

O ACES Médio Tejo abrange a área territorial de 11 municípios com cerca de 235 mil utentes. Abrange as unidades de saúde de Abrantes, Alcanena, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Mação, Ourém, Sardoal, Tomar, Torres Novas e Vila nova da Barquinha, numa área territorial de 2.706,10 Km's quadrados.

Já os concelhos da Sertã e Vila de Rei que fazem parte do Médio Tejo na divisão político-administrativa em termos de saúde pertencem ao ACES do Pinhal Interior Sul que abrange ainda os concelhos de Proença-A-Nova, Oleiros e cerca de 30 mil utentes.

 

Portugal entra em situação de calamidade em todo o território nacional

Portugal vai elevar o nível de alerta face à pandemia de covid-19 passando da situação de contingência para situação de calamidade em todo o território nacional, anunciou hoje o primeiro-ministro, António Costa.

No final da reunião do Conselho de Ministros, António Costa considerou que a evolução da epidemia em Portugal tem sido "grave", razão pela qual o Governo decidiu avançar com "oito decisões fundamentais".

António Costa adiantou que, "já ao abrigo da situação de calamidade, a partir das 24:00 de hoje deixará de poder haver ajuntamentos na via pública de mais de cinco pessoas".

Notícia relacionada: https://www.antenalivre.pt/covid-19/covid-19-portugal-entra-em-situacao-de-calamidade-em-todo-o-territorio-nacional