Pesquisar notícia
quinta,
13 mai 2021
Região

Covid-19: Médio Tejo com mais 4 infetados e estirpe inglesa é a dominante (C/ÁUDIO)

31/03/2021 às 18:30
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

O relatório epidemiológico da Unidade de Saúde Pública do Médio Tejo dá nota de mais quatro infetados nesta área territorial elevando o total acumulado, desde o início da pandemia, para 12 747 registos. Os casos anotados esta quarta-feira estão registados nos concelhos do Entroncamento, Ourém, Tomar e Vila Nova da Barquinha.

O número de vigilâncias ativas continua a subir com nota para mais 24 pessoas a entrar em vigilância ativa. Estes confinamentos estão registados em Abrantes (9), Alcanena (2), Entroncamento (23), Mação (1), Ourém (10), Sardoal (1), Tomar (21), Torres Novas (52) e Vila Nova da Barquinha (9).

Desde o início da pandemia a autoridade de saúde já decretou 6 893 confinamentos obrigatórios e levantou esse confinamento a 6 766.

Os novos casos positivos de Covid-19 no Médio Tejo têm tido a mesma tendência do país.

O Centro Hospitalar do Médio Tejo tem feito um investimento considerável no serviço de Patologia e no pico desta última vaga da pandemia fez mais de mil testes por dia, cobrindo esta região, mas fazendo um grande suporte à área da grande Lisboa.

E começou também, de acordo com o presidente do Conselho de Administração, Carlos Andrade Costa a fazer os estudos para identificação das estirpes que infetam a população.

O administrador revelou que, de acordo com os dados de segunda-feira, nos testes feitos neste serviço a estirpe inglesa é a dominante. Carlos Andrade Costa revelou que o investimento elevado no laboratório do Hospital de Tomar permite ter uma perceção daquilo que se passa na região.

 

Carlos Andrade Costa; presidente Conselho Administração CHMT

Declarações do presidente do Conselho de Administração do CHMT à margem da sessão de apresentação das obras de renovação e ampliação da urgência do Hospital de Abrantes.

Diz o administrador que nos testes feitos no laboratório do CHMT, para o Médio Tejo e para outras zonas do país, há uma predominância da estirpe inglesa do SARS-Cov-2.