COVID-19: Médio Tejo com 36 casos positivos e 246 vigilâncias ativas (C/ÁUDIO)

2020-03-30

 

O Médio Tejo tem a registar mais quatro casos positivos de infeção com o coronavírus passando agora para 36 casos positivos. Também o número de vigilâncias ativas teve um incremento de 16 casos nas últimas 24 horas. De acordo com o boletim epidemiológico do Médio Tejo os novos casos registaram-se em Ourém (2), em Torres Novas (1) e Vila Nova da Barquinha (1). Destes quatro casos confirmados dois ficaram hospitalizados e os outros em processo de cura da COVID-19 nas suas residências.

Quanto a Abrantes mantém os sete casos positivos com 57 pessoas em vigilância ativa. Ano nível das vigilâncias o número também cresceu no Entroncamento, Ourém, Torres Novas e Tomar.

O Médio Tejo continua a registar dois óbitos (Tomar e Alcanena).

No dia em que a região já tem a funcionar as três Áreas Dedicadas à COVID (Sardoal, Tomar e Entroncamento) Maria dos Anjos Esperança explicou que a estas unidades só vão doentes referenciados pela Linha de Saúde 24 (808 24 24 24).

Questionada sobre a origem dos casos no Médio Tejo se são mais urbanos ou rurais a Delegada de Saúde escusa-se a revelar a origem dos mesmo, revelam apenas os concelhos, mas adianta que são, na maioria, casos de zonas mais urbanas. Quer os infetados, quer as vigilâncias ativas.

Quando aos testes a lares de idosos, que muito se tem falado nos últimos dias, Maria dos Anjos Esperança espera que as pessoas tenham muitas precauções e “vamos tentar que sejam todos abrangidos pelas análises. Assim como profissionais de saúde, embora estes não estejam a fazer por precaução, apenas por sintomatologia. Por prevenção estão a fazer os idosos, os bombeiros e as forças de segurança”, asseverou a Delegada de Saúde do Médio Tejo.

Maria dos Anjos Esperança. ACES Médio Tejo 

O ACES Médio Tejo aglutina os concelhos de Abrantes, Alcanena, Constância, Entroncamento, Ferreira do Zêzere, Mação, Ourém, Sardoal, Tomar, Torres Novas e Vila Nova da Barquinha.

Vila de Rei e Sertã são dois concelhos que pertencem à Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo, mas que na área da Saúde dependem de Castelo Branco, nomeadamente do Agrupamento de Centros de Saúde do Pinhal Interior Sul, que monitoriza estas situações.