Pesquisar notícia
segunda,
27 set 2021
PUB
Região

Abrantes: RAME comemora 1º aniversário e recebe Estandarte Nacional

28/11/2017 às 00:00
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

O RAME – Regimento de Apoio Militar de Emergência celebrou o seu 1º aniversário, na quinta-feira, 23 de novembro.

As cerimónias decorreram no Quartel de S. Lourenço, em Abrantes, e foram presididas pelo Chefe do Estado Maior do Exército, general Frederico Rovisco Duarte.

Como momentos altos das celebrações, a entrega do estandarte Nacional ao RAME, a cerimónia de homenagem aos mortos em Campanha e o Juramento de Bandeira do 5º Curso de Formação Geral Comum de Praças do Exército, onde juraram Bandeira 106 militares, 86 homens e 20 mulheres.

“Sendo a formação um dos pilares da Missão deste Regimento, importa agora realçar igualmente o papel central que esta Unidade tem ao nível do apoio militar de emergência que lhe dá o nome”, afirmou o comandante do RAME, coronel César Reis. O comandante lembrou o trabalho efetuado pelo RAME que “de norte a sul do país, de meados de julho até ao início de novembro, militares de 35 unidades, num total de mais de 15 mil empenhamentos, apoiaram as populações de 170 concelhos, contribuindo para a defesa e salvaguarda dos portugueses e dos seus bens”.

César Reis deu como exemplo o empenhamento de “270 pelotões de rescaldo e vigilância pós-incêndio, 79 destacamentos de engenharia, 3621 patrulhas de vigilância e dissuasão, assim como vários módulos da Polícia Militar de apoio psicológico (…) em 87 teatros de operações onde estivemos presentes mas também as Unidades ode recolhemos pessoas necessitadas, como aconteceu em Abrantes, Vila Real, Leiria e Viseu. Mais recentemente, temos colaborado no transporte da alimentação animal de emergência. Até ao momento, transportámos mais de 1200 toneladas de palha e ração, tendo as nossas viaturas percorrido cerca de 80 mil quilómetros”.

Destacou e agradeceu aos “valorosos soldados que servem o Regimento de Apoio Militar de Emergência e que têm tido uma vida infernal. Sem horários, quase sem férias…”

César Reis deixou, no entanto, uma palavra de esperança. “Confiemos no futuro”, disse o comandante.