Abrantes: Vereador do PSD chama a atenção para as entradas da cidade

Política 2019-04-03
Zona de Olho de Boi
Zona de Olho de Boi

Rui Santos, vereador do PSD, na última reunião de Câmara, realizada esta terça-feira, fez referência às entradas da cidade de Abrantes, que disse estarem a necessitar de intervenção.

“Os olhos também comem”, começou por referir Rui Santos, reconhecendo que apesar de não ser uma competência direta da Câmara, mas das Infraestruturas de Portugal (IP) “Abrantes merece que as suas entradas sejam completamente revistas”.

“Nós devemos de ser das poucas cidades que temos uma ligação a uma autoestrada, que não está iluminada (…) Não há qualquer iluminação desde a saída da A23 até à rotunda do quartel. Não passa pela cabeça de ninguém isto”, salientou o vereador.

“Relativamente à entrada de Olho de Boi, sabemos perfeitamente o que é que acontece naquela zona quando chove. Além disso, não existem passeios e podíamos fazer ali vias para as bicicletas. Pois, temos muita gente em Abrantes a andar de bicicleta”, sugeriu o responsável, dando conta que “se as coisas estiverem devidamente arranjadas, os nossos investidores também nos olham de outra maneira”.

“Não é só termos projetos para que as pessoas possam vir para cá, mas é também termos uma cidade vistosa e que possamos vendê-la. Portanto,senhor presidente, isto é um alerta e é um pedido. Eu acho que Abrantes merece que as suas entradas sejam completamente revistas”, vincou Rui Santos.

Em resposta, Manuel Jorge Valamatos, presidente da Câmara Municipal, agradeceu a sugestão deixada, dando conta que é uma preocupação do atual executivo.

O presidente explicou que para se intervir na entrada de Olho de Boi é necessário que aquela zona passe para a competência do Município. Se assim não for “nunca vamos conseguir intervir, nem elaborar projetos, nem avançar com as candidaturas. E temos andado aqui a perder algum tempo, porque infelizmente desclassificaram outras zonas, mas não desclassificaram a [avenida] António Farinha Pereira”, sendo uma zona “estruturante da nossa cidade”.

Relativamente, à entrada da cidade junto ao RAME, o presidente admitiu que é necessário “reagir rapidamente ali em termos de iluminação”, tendo avançado “que numa das reuniões que fizemos com o senhor comandante do RAME, ele até se mostrou disponível para conseguir eletrificar aqueles muros para dar maior luminosidade à estrada”. “Não sei se terá a nossa intervenção, se será a Infraestruturas de Portugal, mas é um espaço que deverá ser requalificado e repensado a este nível”, finalizou.

 

 Reunião de Câmara realizada esta terça-feira