Abrantes: Unanimidade em Moção pelo CRIA

Política 2018-12-03

A Assembleia Municipal de Abrantes, reunida em sessão ordinária a 30 de novembro, aprovou por unanimidade a Moção “CRIA - Assegurar a missão ao serviço à comunidade”, apresentada inicialmente pelo PS mas, após discussão entre os vários Grupos Municipais, foi acertada uma redação consensualizada entre as várias bancadas.

Na Moção aprovada, reconhece-se que “o CRIA tem uma trajetória de dificuldades orçamentais e de tesouraria, identificadas pelo menos desde 2010”. Acrescenta que estas dificuldades financeiras colocam em risco o bom funcionamento da Instituição, nomeadamente no garante e na qualidade dos serviços prestados aos utentes, bem como as obrigações salariais auferidas pelos colaboradores e funcionários do CRIA”.

No texto pode ainda ler-se que “a Assembleia Municipal hoje reunida, por unanimidade, vem requerer, no âmbito das suas atribuições, competências e responsabilidades, junto do ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social e do Instituto da Segurança Social, em particular, e em concertação com a Direção do CRIA e o órgão diretivo em vigor, que tomem as medidas que julguem necessárias para a estabilidade, harmonização e continuidade da reestruturação (…) em vista a resolver os problemas identificados e a solidificar a estrutura económica e financeira da Instituição, de modo a que o CRIA esteja plenamente apto ao cumprimento da sua missão no serviço à comunidade”.

A Moção irá ser enviada ao ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, bem como ao Instituto da Segurança Social IP.

Antes da Ordem do Dia, o PSD tentou incluir uma Moção que visava igualmente esclarecer a situação do CRIA mas, devido ao atraso na entrega do documento, esta acabou por não ser incluída. Na Moção, o PSD pedia para se convidar “o Senhor Presidente do CRIA e um representante do Instituto da Segurança Social, capacitado para o efeito, para, numa sessão extraordinária da Assembleia Municipal de Abrantes, apresentarem informações e esclarecimentos sobre as atuais circunstâncias do CRIA e sobre a noticiada formação de uma comissão administrativa que liderará os destinos da instituição”.

No entanto, o Grupo Municipal do PPD/PSD voltará a incluir esta mesma Moção numa próxima sessão, aguardando, até lá, pelos próximos desenvolvimentos.

Também o Bloco de Esquerda começou por considerar “esvaziada de sentido” a Moção apresentada pelo PS devido aos mais recentes desenvolvimentos.

Depois de discutidas e apresentadas as várias posições e dúvidas de cada bancada, lá se chegou ao texto consensual que irá ser enviado com o logótipo do Município e não de um único partido político.

Presente durante as sete horas que durou a sessão, esteve um grupo de funcionários do CRIA, incluindo o coordenador da Comissão de Trabalhadores. Traziam um manifesto que pretendiam ler no período reservado à intervenção do público mas, segundo consideram “já foi ultrapassado pelos acontecimentos” e, após ouvidas as posições dos Grupos Municipais e da aprovação da Moção, optaram por não o fazer.

No entanto, ficou claro que a Comissão de Trabalhadores considera que a anunciada Comissão Administrativa é, no momento, “uma boa solução” e a “única possível” e têm “esperança que as coisas vão pelo melhor caminho”.

Todos os grupos manifestaram total disponibilidade para trabalharem em prol de uma solução que viabilize o futuro da instituição.

A Assembleia Municipal aprovou ainda um Voto de Pesar pelo falecimento de Manuel Lopes de Sousa.