Especial Feira do Tejo: Praça da República e Ninho de Empresas dão nova cara ao Centro Histórico

Concelhos 2019-06-11

A Praça da República, às portas dos Paços do Concelho de Vila Nova da Barquinha, está de cara lavada.

Para o presidente da Câmara Municipal, Fernando Freire, a praça conta com uma nova visão “de modernidade, com uma nova filosofia. Libertámos a praça das árvores, foi colocada iluminação e esplanadas com proteção para o sol. Esta zona vai ser toda pedonal, os veículos vão deixar de passar, para que as pessoas possam aproveitar as esplanadas e divertirem-se”, adiantou o presidente. A remodelação da praça mais emblemática da vila foi um investimento de cerca de 287.356 euros + IVA.

Mesmo ao lado, no Largo José da Cruz, em frente à Loja do Cidadão, e com as obras em bom andamento, está a nascer o Ninho de Empresas. Um edifício “preparado para receber todo o tipo de negócios, desde as indústrias criativas porque mesmo dentro das salas existem pontos de água e está preparado para instalação de bancadas necessárias a essas indústrias, mas poderá ir até a empresas no ramo da tecnologia porque também estará preparado para isso. Vamos fazendo o caminho com calma”, explicou a vereadora Marina Honório.

O novo Ninho de Empresas ainda não tem regulamento, algo que irá ser aprovado em breve, mas já tem interessados. “E são bastantes”, garantiu Marina Honório.

“A nossa questão, no domínio artístico é mesmo essa. Como temos as Galerias de Santo António, como o CIAAR – Centro de Interpretação de Arqueologia do Alto Ribatejo também abriu o seu espaço à instalação de outros negócios e tem a sala de coworking onde até está funcionar o CTeSP com o IPT no âmbito da Proteção Civil e já tem todo o espaço ocupado, não têm mais nenhuma sala... várias pessoas já se dirigiram à Câmara, nomeadamente no domínio artístico, a dizer que se pretendem instalar em Vila Nova da Barquinha. Querem saber qual o espaço que a Câmara tem para eles, mas vão ter que aguardar mais um pouco para poderem concorrer a instalarem-se no Ninho de Empresas”.

Com a área cultural a crescer em Vila Nova da Barquinha, questionámos se o concelho quer ser uma capital da cultura permanente. “Acho que vai ser uma Vila da Cultura e da Arte permanente”, respondeu a vereadora.

O Ninho de Empresas terá uma área bruta total de 674m2, e será constituído por 10 gabinetes, três espaços de coworking, uma sala de reuniões, uma sala de formação, uma zona de convívio/copa, uma sala de empreendedorismo e secretariado, uma sala de Gabinete de Inserção Profissional e uma loja de produtos endógenos, bem como espaço de lazer/convívio interno.

O objetivo do espaço é “incentivar pessoas singulares e coletivas a iniciar ou desenvolver áreas empresariais que possam trazer mais emprego e rendimento ao concelho”, defendeu o presidente Fernando Freire.