Exposição de vestidos de noiva (1961 a 2008) em Mouriscas

Cultura 2019-08-07

O centro escolar da EPDRA (Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Abrantes), antigo Colégio Infante de Sagres, está a acolher uma exposição de vestidos de noiva. Trata-se de uma mostra do trabalho da modista mourisquense Adelina de Jesus Lopes Pedra Rosa que faleceu em 2016 e terá manifestado, ainda em vida, a vontade de mostrar os seus trabalhos.

A modista e mestra criou e executou dezenas de vestidos para casamentos em Lisboa e em Mouriscas, deixando um rasto de obras que agora podem ser observadas.

A exposição tem a organização da Associação de Desenvolvimento Integrado de Mouriscas (ADIMO) que, juntamente com a família da modista, conseguiu juntar duas mãos cheias de vestidos de diversas épocas. A mostra apresenta um vestido de 1961, o mais antigo, e um de 2008, o mais recente.

Ao visitarmos esta mostra podemos também perceber a evolução da moda, notando-se uma diferença entre o período anterior e pós 25 de abril de 1974.

Humberto Lopes, presidente da ADIMO, fez questão de apresentar a exposição e explicar a forma como conseguiram chegar a muitas “noivas” vestidas pela modista. Não chegaram a todas, uma vez que em Lisboa foi mais difícil localiza-las. Mesmo assim conseguiram encontrar muitos vestidos e, acima de tudo, as cedências para a exposição. Aliás, junto a cada vestido está uma fotografia do casamento para mostrar o modelo exposto na jovem que o usou no dia de subir ao altar.

Humberto Lopes revelou ainda alguns pormenores da montagem da exposição, como o apoio do museu do traje, no empréstimo de manequins, ou até às colaboradoras que ajudaram “a vesti-los”.

Também o filho de Adelina Pedra Rosa, João Rosa, deixou o testemunho de uma convivência com tecidos, tule, carros de linha ou tesouras, desde a infância.

A irmã da modista, e que foi sua ajudante, assim como algumas “aprendizas” também estiveram presentes, porque se a exposição mostra a criação e execução, estas também têm algumas participações nos produtos finais.

De referir que há outros objetos para ver na exposição, como uma máquina de costura, das antigas, ou catálogos de costura.

A exposição pode ser visitada aos sábados, domingos e feriados, entre as 15:00 e as 19:00 ou, no caso do interesse em visita em grupos organizados, poderá haver um agendamento diferente.

 

 

 

 

 

 

 

Humberto Lopes, presindente da ADIMO, explica o contaúdo da exposição à vereadora Ana Paula Grijó

João Rosa, filho da modista, agradeceu a presença de todos na igauguração da exposição