Pesquisar notícia
quarta,
16 jun 2021
Covid-19

Covid-19: Portugal com mais uma morte e 598 novos casos nas últimas 24 horas

28/05/2021 às 15:06
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

Portugal registou uma morte relacionada com a covid-19 e 598 novos casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2 nas últimas 24 horas, indica o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS).

De acordo com o boletim epidemiológico, a região de Lisboa e Vale do Tejo continua a ser a que tem mais novos casos confirmados, com praticamente metade (295) dos 598 registados hoje e um óbito.

O número de internados em enfermaria voltou a aumentar, com mais 13 registos para um total de 246, e em unidades de cuidados intensivos estão 52 doentes, menos um do que na quinta-feira.

Os dados divulgados pela DGS mostram também que estão ativos mais 82 casos, num total de 22.534.

Desde o início da pandemia, em março de 2020, foram consideradas recuperadas da infeção 808.047 pessoas, mais 515 nas últimas 24 horas.

O número de contactos que as autoridades de saúde têm em vigilância mantém-se acima dos mil, havendo hoje mais 1.053 pessoas vigiadas, num total de 22.887.

O mais recente relatório de vacinação da DGS indica que já estão vacinadas contra a doença 5.265.575 pessoas, das quais 1.672.853 com a imunização completa.

Segundo o boletim, a região Norte tem hoje 171 novas infeções por SARS-CoV-2, totalizando 339.974 casos de infeção e 5.354 mortes, desde o início da pandemia.

Na região de Lisboa e Vale do Tejo foram notificados mais 295 casos, contabilizando-se até agora 320.460 casos e 7.212 mortes atribuídas à covid-19.

Na região Centro registaram-se mais 54 casos, acumulando-se 119.754 infeções e 3.021 mortos.

No Alentejo foram assinalados mais 15 casos, totalizando 30.153 infeções e 971 mortos.

Na região do Algarve, o boletim revela que foram registadas mais 33 infeções, acumulando-se 22.234 casos e 363 mortos.

A região Autónoma da Madeira registou sete novas infeções, contabilizando 9.681 casos e 69 mortes devido à covid-19.

Os Açores registam 23 novos casos, contabilizando 5.348 casos e 33 mortos desde o início da pandemia, segundo a DGS.

As autoridades regionais dos Açores e da Madeira divulgam diariamente os seus dados, que podem não coincidir com a informação divulgada no boletim.

O novo coronavírus já infetou em Portugal pelo menos 462.1355 mulheres e 385.107 homens, mostram os dados da DGS, segundo os quais há 362 casos de sexo desconhecido, que se encontram sob investigação, uma vez que esta informação não é fornecida de forma automática.

Do total de vítimas mortais, 8.941 eram homens e 8.082 mulheres.

O maior número de óbitos continua a concentrar-se nos idosos com mais de 80 anos, seguido da faixa etária entre os 70 e os 79 anos.

O índice de transmissibilidade (Rt) do coronavírus SARS-Cov-2 em Portugal, hoje revelado, manteve-se em 1,07 e a taxa de incidência de casos de infeção por 100.000 habitantes nos últimos 14 dias aumentou para 59,6.

A covid-19 provocou, pelo menos, 3.513.088 mortos no mundo, resultantes de mais de 168,9 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

 

Todas as vacinas AstraZeneca estão a ser usadas, "para acelerar vacinação” - `task force´

A `task force´ que coordena a vacinação contra a covid-19 garantiu hoje que Portugal não tem atualmente um excesso de vacinas da AstraZeneca, que estão a ser usadas para “acelerar o processo” de imunização da população.

“De acordo com a informação disponível no momento, não existe um excesso de vacinas da AstraZeneca. Todas as vacinas da AstraZeneca estão a ser usadas para acelerar o processo de vacinação”, adiantou à agência Lusa a estrutura que coordena a logística da vacinação.

A vacina da farmacêutica anglo-sueca está a ser utilizada em Portugal com limitações de idade, uma vez que, no início de abril, as autoridades de saúde recomendaram a sua administração em pessoas acima dos 60 anos.

Esta decisão surgiu dias depois da Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) ter indicado uma “possível ligação” entre a vacina, que passou a designar-se Vaxzevria, e “casos muito raros” de formação de coágulos sanguíneos, mas salientando que os benefícios de receber o fármaco superavam largamente os riscos dos seus efeitos secundários.

Uma norma mais recente da Direção-Geral da Saúde (DGS) prevê também que as pessoas com menos de 60 anos e que pretendam receber esta vacina, podem fazê-lo, desde que aceitem a dar o seu consentimento informado sobre os benefícios e os riscos.

Esta semana, a `task force´ liderada pelo vice-almirante Gouveia e Melo adiantou à Lusa que a vacinação das pessoas acima dos 60 anos está já na reta final, tendo em conta que 90% já recebeu pelo menos uma dose da vacina, o que significa a proteção das faixas etárias onde até agora se verificaram 96% dos internamentos e mortes por covid-19.

Perante isso e caso se verifique que há mais vacinas da AstraZeneca do que as necessárias para vacinar a população portuguesa, a estrutura que coordena a vacinação garantiu que todas as doses “serão usadas”, incluindo doações para outros países, no âmbito da solidariedade internacional.

“Por um lado, ainda há algumas incertezas quanto à duração da eficácia destas vacinas e, por outro lado, o país tem também compromissos de solidariedade internacional, nomeadamente o mecanismo Covax [de cedência de vacinas a países menos desenvolvidos] e a doação que já foi comunicada de vacinas para os países africanos de língua portuguesa e para Timor-Leste”, adiantou a `task force´.

Recentemente, Portugal disponibilizou 24 mil doses desta vacina contra a covid-19 a Cabo Verde, correspondendo ao pedido de apoio formulado pelo Governo daquele país.

Esta doação decorreu no seguimento do compromisso anunciado pelo Governo português de disponibilizar aos países africanos de língua portuguesa e a Timor-Leste 5% das vacinas adquiridas por Portugal, no quadro do esforço europeu de partilha desses fármacos contra a covid-19.

Nos próximos dias, chegam a Portugal mais 340 mil doses da vacina da AstraZeneca, incluídas num lote de mais de 1,4 milhões de vacinas de vários laboratórios, o que representa cerca de 25% do total de 5,7 milhões de doses já entregues desde que arrancou o plano de vacinação, a 27 de dezembro de 2020.

 

A DGS publicou hoje a Dsitribuição Geográfica dos Casos Identificados:

 

C/ Lusa e DGS