Pesquisar notícia
segunda,
21 jun 2021
Covid-19

Covid-19: Portugal com mais 430 casos e mais pessoas internadas

4/06/2021 às 15:20
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 430 casos confirmados de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2 e mais 13 internamentos de pessoas com covid-19, num dia sem mortes atribuídas à doença.

Há 267 pessoas internadas com covid-19, 53 das quais em unidades de cuidados intensivos, onde está mais uma pessoa desde quinta-feira, segundo o boletim epidemiológico divulgado hoje pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

O número de casos ativos aumentou em 130 para um total de 23.473 e as autoridades de saúde têm mais 232 contactos em vigilância, num total de 25.161 pessoas.

A DGS deu como recuperadas 300 pessoas nas últimas 24 horas, registando-se 810.959 casos recuperados desde o início da pandemia.

No total, 851.46 pessoas em Portugal foram infetadas pelo SARS-CoV-2 e 17.029 morreram com covid-19.

A região de Lisboa e Vale do Tejo registou mais de metade dos novos casos confirmados (217) nas últimas 24 horas, totalizando 322.431 casos e 7.214 mortes no total.

Na região Norte contam-se mais 132 casos, totalizando 341.109 infeções e 5.356 mortes com covid-19.

No Centro há mais 20 casos de contágio com o SARS-CoV-2, 120.029 no total e 3.023 mortes.

No Alentejo foram assinalados mais 16 casos, totalizando 30.252 infeções e 971 mortos desde o início da pandemia.

Na região do Algarve o boletim de hoje revela que foram registados 11 novos casos, acumulando-se 22.377 infeções e 363 mortos.

A região Autónoma da Madeira contabilizou oito novos casos, somando 9.743 infeções e 69 mortes devido à covid-19 desde março de 2020.

Os Açores têm hoje 26 novos casos e contabilizam 5.520 casos e 33 mortos desde o início da pandemia, segundo a DGS.

As autoridades regionais dos Açores e da Madeira divulgam diariamente os seus dados, que podem não coincidir com a informação divulgada no boletim da DGS.

O novo coronavírus já infetou em Portugal pelo menos 464.053 mulheres e 387.028 mulheres, mostram os dados da DGS, segundo os quais há 380 casos de sexo desconhecido, que se encontram sob investigação, uma vez que esta informação não é fornecida de forma automática.

Do total de vítimas mortais, 8.944 eram homens e 8.085 mulheres.

O maior número de óbitos continua a concentrar-se nos idosos com mais de 80 anos, seguidos da faixa etária entre os 70 e os 79 anos.

 

Índice de transmissibilidade nacional sobe para 1,08 e incidência para 69,8

 

O índice nacional de transmissibilidade (Rt) do coronavírus SARS-CoV-2 aumentou uma centésima desde quarta-feira para 1,08 e a incidência de casos de infeção por 100.000 habitantes subiu de 66,4 para 69,8.

De acordo com o boletim epidemiológico conjunto da Direção-Geral da Saúde (DGS) e do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA), o Rt em Portugal continental é ligeiramente superior, situando-se em 1,1 (mais duas centésimas) e a taxa de incidência a 14 dias no Continente está hoje em 67,5, subindo do valor de 63,7 que se verificava na quarta-feira.

Os dados do índice de transmissibilidade e da incidência a 14 dias são atualizados à segunda-feira, quarta-feira e sexta-feira.

Estes indicadores – o índice de transmissibilidade do vírus e a taxa de incidência de novos casos de covid-19 – são os dois critérios definidos pelo Governo para avaliar o processo de desconfinamento iniciado a 15 de março.

O grupo de peritos que aconselha o Governo sobre as medidas contra a pandemia defendeu na sexta-feira da semana passada que deve manter-se a matriz de risco das "linhas vermelhas" de avaliação da incidência acumulada de casos e do Rt.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.704.003 mortos no mundo, resultantes de mais de 172 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 17.029 pessoas dos 851.461 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

 

C/ Lusa e DGS