Pesquisar notícia
sábado,
18 set 2021
PUB
Concelhos

VN da Barquinha vai celebrar os 182 anos da sua existência com um programa diversificado

2/11/2018 às 00:00
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

Para completar, no próximo dia 6 novembro, o 182º aniversário do concelho Vila Nova da Barquinha, a Câmara Municipal vai promover um programa comemorativo entre os dias 3 e 11 de novembro.

De acordo com o Município, o programa que contará com diversas atividades culturais de entrada livre e tem como objetivo celebrar a existência e a história da vila.

No dia de abertura, o destaque vai para a entrega dos Títulos Honoríficos a entidades, personalidades e funcionários do Município e para a realização do Seminário "Turismo Militar" no Centro Cultural, que contará com a presença de Fernando Freire, presidente da Câmara Municipal e Álvaro Covões, presidente da Associação de Turismo Militar Português. O momento conta ainda com a apresentação dos novos associados da Associação de Turismo Militar Português e a apresentação do Curso de Turismo Militar.

O programa nesse mesmo dia será abrilhantado por momentos de poesia e musicais com a atuação da Banda de Música dos Bombeiros de VN da Barquinha.

No dia 4, realiza-se um passeio de cicloturismo no parque ribeirinho, seguido depois de uma mostra de produtos locais e artesanato no Convento de Cristo, em Tomar.

Dia 6, vai haver uma caminhada informal pela história da vila, guiada por António Roldão com arranque Cais do Vapor (Rua da Barca).

No dia de encerramento do programa, 11 de novembro, realizar-se-á a peça de teatro "História das estórias de uma Guerra", no Centro Cultural, organizada pela FOS, JF Praia do Ribatejo e pelo Agrupamento de Escolas de Vila Nova da Barquinha.

No dia 6 de novembro de 1836, a rainha D. Maria II assinou um decreto que criou o concelho de Vila Nova da Barquinha, que seria composto pelos extintos concelhos de Atalaia, Paio de Pele e Tancos. Só três anos mais tarde (26 de junho de 1839), é que Barquinha foi elevada a Vila.

O novo concelho foi, entretanto, suprimido (21 de novembro de 1895) e anexado ao da Golegã, para voltar a ser restaurado, em 13 de janeiro de 1898.