Pesquisar notícia
quinta,
23 set 2021
PUB
Concelhos

Vila de Rei: Vereadores do PS votam contra mudança de nome do Hotel

21/03/2017 às 00:00
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

O último ponto da Ordem do Dia da reunião da Câmara Municipal de Vila de Rei, realizada esta terça-feira, 21 de março, foi o que gerou discórdia entre o Executivo, com os dois vereadores socialistas a votarem contra. Em causa estava um pedido de Sónia Leal, sócia gerente da firma AlmaRei, Unipessoal LDA, concessionária da Albergaria D. Dinis Hotel, para a mudança de nome do estabelecimento.

“Este pedido vem no seguimento de dois objetivos comuns, lançar Vila de Rei (marca/concelho) no estrangeiro e renovar a imagem que foi deixada pela gerência anterior”, lê-se no pedido. A concessionária acrescenta ainda que “existe a necessidade de passar uma imagem renovada, moderna, jovem, de confiança e de qualidade e, ao mesmo tempo, carregar o nome deste concelho, contribuindo para a sua divulgação, dentro e fora do país, sendo a casa daqueles que visitam o centro de Portugal”.

Ricardo Aires, presidente da Câmara Municipal, considerou que, “como tem Vila de Rei” no nome, “por mim, pode haver esta mudança”. O presidente recordou que este projeto “vai ser benéfico para Vila de Rei porque, ao mesmo tempo, estão a dar a conhecer Vila de Rei”.

Carlos Garcia, vereador do PS, disse não concordar com a mudança. “D. Dinis diz-nos qualquer coisa, é uma referência do nosso concelho. Temos o foral de Vila de Rei”, que foi atribuído pelo rei em 1285.

Ricardo Aires respondeu ao vereador, dizendo que o novo concessionário “tem ideias para promover o Hotel e promover Vila de Rei como nunca nenhum concessionário fez. Não é agora por ter ou deixar de ter o D. Dinis…” O autarca relembrou ainda que, “antigamente, esta unidade hoteleira era conhecida por Albergaria. Quase ninguém dizia D. Dinis”.

Paulo César, vice-presidente da Autarquia, pediu a palavra para explicar que, “se no passado, eu fui contra qualquer alteração de nome, pois alguns concessionários fizeram pedidos semelhantes a este e eu me manifestei contra, neste momento, e em face não só dos investimentos mas sobretudo do desgaste do nome e da imagem que aquela infraestrutura tem tido, em virtude de alguns concessionários que por lá passaram… considerando uma estratégia de marketing diferente… considerando que mais do que D. Dinis, aquilo que nos liga, aquilo que nos une, aquilo que nos identifica é o nosso nome, eu concordo com esta mudança”.

Para Miguel Jerónimo, vereador socialista, “D. Dinis, há 732 anos, deu o foral a Vila de Rei. É, portanto, o pai fundador de Vila de Rei. Desde 2001 que esse nome sempre esteve presente na unidade hoteleira, e bem”. O vereador considerou que o nome do rei seria conciliável com o nome do Hotel, quer fosse “D. Dinis Hotel, Hotel Vila de Rei D. Dinis ou Hotel D. Dinis Vila de Rei”. Miguel Jerónimo acrescentou, no entanto, que “manifestamos todo o apoio a este novo concessionário, que está a mostrar capacidade de iniciativa e um projeto diferente do que tem sido até agora. Aí, estamos todos de acordo”.

Antes da votação, Ricardo Aires ainda acrescentou que “não vou estar a fazer uma coisa que eles não querem para que depois, um dia, eles não digam que não funcionou por causa de termos dito isto ou aquilo… Não estamos em condições para fazer isso. Tenho um concessionário que está com um objetivo bastante elevado e não vou estar a pôr areia na engrenagem”.

A alteração do nome foi aprovada pela maioria social-democrata, com dois votos contra dos vereadores socialistas.

A Albergaria D. Dinis Hotel passa assim a chamar-se Hotel Vila de Rei e já tem data de abertura anunciada. O Hotel, que conta com 33 camas, divididas por 16 quartos duplos e um quarto individual, vai abrir portas no próximo dia 31 de março.

Ainda na reunião do Executivo vilarregense, foi aprovado por unanimidade o preço para uma edição municipal sobre D. Manuel Nunes Gabriel, vilarregense e nome relevante junto da Igreja Católica Portuguesa.

Trata-se de um livro de 160 páginas A4, “escrito e construído pela sua sobrinha-neta e comporta contributos, imagens e narrativas únicas sobre D. Manuel Nunes Gabriel, enquanto Bispo de Malanje e Arcebispo de Luanda”, em Angola.