Pesquisar notícia
quarta,
22 set 2021
PUB
Concelhos

Obra da Escola de Sardoal suspensa. Remoção de placas de fibrocimento foi a causa

24/01/2019 às 00:00
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

A obra que está a decorrer na EB 1,2,3/S Dr.ª Maria Judite Serrão Andrade, em Sardoal, foi suspensa na terça-feira, dia 22 de janeiro, devido à remoção das placas de fibrocimento,com amianto, que se encontram naquele equipamento escolar.

A Câmara Municipal inteirou-se de imediato da situação, mas no mesmo dia houve uma denúncia e a GNR esteve no local.

Em entrevista à Antena Livre, Miguel Borges presidente da Câmara Municipal, referiu-se “a uma falha de comunicação” entre “a empresa [que está a construir a nova escola], a empresa que faz a fiscalização da obra e os próprios trabalhadores”.

“Houve a retirada de algumas placas de fibrocimento o que causou esta preocupação. Perante as dúvidas que tivemos e sendo que somos o dono de obra, numa atitude preventiva, a Câmara Municipal procedeu à suspensão dos trabalhos até que os responsáveis se sentassem à mesa e percebessem o que se estava a passar. E assim foi”, começou por explicar.

“Na reunião de ontem, foi-me explicado que para se fazer o levantamento destas placas até 100 metros não há necessidade de licenciamento. O licenciamento é necessário sim, para o transporte e colocação das placas no local adequado”, afirmou o presidente, dando conta que as placas removidas não estavam superiores a 100 metros de altura.

As obras vão continuar suspensas pelo menos durante uma semana, pois segundo Miguel Borges na reunião de ontem, que juntou elementos da Câmara Municipal, da empresa construtora, da escola e da empresa fiscalizadora, entendeu-se que se devia “ manter a suspensão até que as autoridades se pronunciem sobre o auto levantado pela GNR. E até que o licenciamento necessário venha, pois na escola temos superfícies que estão superiores a 100 metros”.

Miguel Borges garantiu que mediante o procedimento não “houve risco” para os alunos e para todos profissionais da casa, “pelo facto de as placas não terem sido cortadas, nem deterioradas. Somente quando são cortadas e deterioradas é que há a libertação de partículas", que se podem tornar perigosas.

Questionado sobre a denúncia, o presidente confirmou a situação, dando conta que “as autoridades estiveram no local e fizeram o levantamento dos factos e fizeram seguir o procedimento para as entidades competentes”.

 “Alguém alertou a GNR, mas agradeço que numa próxima também o façam à Câmara Municipal para que possamos agir de imediato, conforme a GNR agiu”, salientou.

“Vamos aguardar o parecer das autoridades competentes, para percebermos se houve falhas, mas de facto o que a empresa me garantiu é que tem legitimidade para fazer o trabalho, ou seja, não precisa de licenciamento para retirar as placas que foram retiradas”.

“Se realmente existiram falhas, queremos garantir que não hajam mais”, rematou.

As obras estão a decorrer desde o passado mês de novembro. O Ministro da Educação esteve de visita ao local no início deste ano