Pesquisar notícia
sábado,
18 set 2021
PUB
Concelhos

Incêndios: Dois bombeiros feridos, sem gravidade, em Abrantes (ATUALIZADA)

17/08/2017 às 00:00
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

Os dois bombeiros da Coprporação de Abrantes que hoje ficaram feridos no combate ao incêndio na aldeia de Lercas, apresentam apenas ferimentos ligeiros. Foram assistidos no local e não houve necessidade de assistência hospitalar.

 

Notícia relacionada:

Dois bombeiros de Abrantes ficaram hoje feridos quando combatiam as chamas que lavram naquele concelho do distrito de Santarém, disse à Lusa fonte do comando das operações.

Segundo a mesma fonte, os bombeiros sofreram queimaduras de 1º e 2º grau, tendo um deles sido transferido para Lisboa.

"Os dois elementos feridos estavam com um autotanque de Abrantes e sofreram queimaduras de 1º e 2º grau, um num braço e numa mão e o outro numa perna, no combate ao incêndio que lavra em Lercas", Mouriscas, concelho de Abrantes, afirmou.

O incêndio em Abrantes é proveniente do que começou às 00:01 de quarta-feira no concelho de Mação e que também já se propagou para o Sardoal.

Contactado pela Lusa, a presidente da Câmara Municipal de Abrantes, Céu Albuquerque, disse que o fogo encontra-se com “uma frente ativa entre as aldeias de Lercas e de Entre Serras” e tem “vários pontos quentes”.

Segundo a autarca, há registo de “muitas reativações”.

Maria do Céu Albuquerque disse ainda que o incêndio lavra, “para já, sem perigo para as populações”, ainda que se mantenham desde quarta-feira 28 pessoas realojadas, preventivamente, nas instalações da Santa Casa da Misericórdia de Abrantes e do Regimento de Apoio Militar de Emergência.

“O vento que se faz sentir é muito forte e estamos neste momento com meios preposicionados para podermos combater eventuais projeções e evitarmos que este incêndio propague a outras regiões”, avançou a presidente da Câmara.

Relativamente ao concelho de Sardoal, o fogo lavra ao longo da freguesia de Alcaravela, desde o lugar de Tojeira até a aldeia de Vale Formoso, com vários reacendimentos, alguns deles preocupantes, afirmou o autarca Miguel Borges.

“O grande desafio é a capacidade de resposta perante os reacendimentos que possam surgir”, declarou à Lusa o presidente da Câmara de Sardoal, sublinhando que a temperatura está muito elevada e o vento sopra com alguma intensidade.

Segundo o autarca de Sardoal, “nota-se colunas de fumo muito grandes e de muita extensão”.

Miguel Borges disse que não há registo de feridos, nem danos em habitações, informando que foram retiradas 30 pessoas das habitações, por questões de segurança.

Em declarações à Lusa, o vice-presidente da Câmara Municipal de Mação, António Louro, disse que o "incêndio continua descontrolado e tem três frentes ativas a lavrar com muita intensidade perto das aldeias de Rosmaninhal, Serra, e de Mação, em Cabeça da Cruz".

Pelas 17:15 estavam no terreno a combater as chamas 1.005 bombeiros, apoiados por 290 veículos terrestres e 13 aéreos.

De referir que a Autoestrada da Beira Interior (A23) foi hoje cortada, pelas 16:50, entre o nó de Mouriscas e o nó de Mação, no distrito de Santarém, devido ao incêndio que lavra na região, disse à Lusa fonte da GNR.

De acordo com a GNR, a A23 está interdita ao trânsito nos dois sentidos, por causa do incêndio que deflagrou quarta-feira no concelho de Mação.

Além da A23 estão cortadas duas estradas nacionais no distrito de Santarém: Estrada Nacional 244-3, entre Louriceira e Serra, no distrito de Santarém, e Estrada Nacional 244, entre Mação e Chão Codes.

Lusa