Pesquisar notícia
sábado,
18 set 2021
PUB
Concelhos

Fogo em resolução em Vila de Rei e em 70% do território atingido em Mação

22/07/2019 às 00:00
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

O fogo rural que deflagrou no sábado em Vila de Rei já está "em resolução" neste município, estando também "em rescaldo" 70% do incêndio no concelho de Mação, para onde as chamas se alastraram, anunciou hoje a Proteção Civil.

Num ‘briefing' na Sertã, distrito de Castelo Branco, onde está instalado o posto de comando, pelas 20:00, o comandante operacional do Agrupamento Centro Norte, Pedro Nunes, disse aos jornalistas que nos restantes 30% de território atingido no concelho de Mação (distrito de Santarém) lavra ainda uma frente repartida.

Durante a tarde, explicou, houve algumas reativações e "o incêndio teve um comportamento extremo", com muita libertação de energia, e a prioridade foi defender pessoas e bens".

Para esta noite, a Proteção Civil está a redefinir a sua estratégia, recorrendo ao uso de máquinas de rasto e ao ataque direto às chamas.

"Vamos recorrer àquilo que durante o dia não conseguimos fazer. O incêndio teve um comportamento extremo. Durante a tarde a prioridade foi defender pessoas e bens", afirmou.

Pedro Nunes admitiu que, apesar de o fogo estar a perder alguma intensidade, a noite não vai ser tão favorável como a anterior.

Contudo, sublinhou, momentos antes da conferência de imprensa, que o fogo em Mação estava a evoluir de forma favorável.

O comandante operacional confirmou também a chegada de quatro pelotões de militares das Forças Armadas ao terreno, sendo que dois ficaram instalados em Vila de Rei, distrito de Castelo Branco, e os outros dois em Mação.

Já quanto às habitações ardidas, o comandante operacional referiu não ter ainda "dados fidedignos", mas reconheceu que "possam ter ardido duas ou três primeiras habitações".

Pedro Nunes explicou ainda que neste momento não existe o perigo de o fogo entrar no concelho de Proença-a-Nova, distrito de Castelo Branco, dado que "a cabeça do incêndio bateu numa área que ardeu em 2017", facto que serviu de barreira à sua progressão.

Paula Neto, do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), afirmou que até ao momento há um total de 39 vítimas assistidas, 16 das quais são feridos ligeiros, e foi registado logo no primeiro dia do incêndio um ferido grave, um civil.

"Durante o dia de hoje houve mais quatro feridos assistidos durante a tarde", acrescentou.

Segundo dados da página da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), às 21:00, encontravam-se no terreno a combater o fogo 1.085 operacionais, apoiados por dois meios aéreos e 347 viaturas.

Lusa