Pesquisar notícia
sábado,
25 set 2021
PUB
Concelhos

Abrantes: Tectania “com dificuldades” e Fundições do Rossio com “ritmo laboral interessante”

6/03/2019 às 00:00
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

Na sequência de uma pergunta do vereador do PSD na Câmara de Abrantes, Rui Santos, acerca do ponto de situação quanto à instalação da empresa Tectania em Alferrarede, o presidente da Câmara Municipal adiantou que “eu próprio tive uma vídeo-conferência, na semana passada, com os investidores brasileiros”.

Manuel Jorge Valamatos, na reunião do Executivo desta quarta-feira, 6 de março, deu conta de que os investidores “evocam duas ou três dificuldades” e que “uma delas eu vou tentar fazer uma abordagem técnica específica” junto de “secretários de Estado e ministros nas áreas da Economia e Finanças” para tentar fazer “essa articulação que nos pediram”.

No entanto, há mais dificuldades neste processo, “nomeadamente a disponibilização do dinheiro no Brasil. Têm tido, de facto, algumas dificuldades”, referiu o presidente que, confessou, “há coisas que nós não controlamos”. Manuel Jorge Valamatos afirmou que “tentaremos dar todas as condições para que as pessoas venham porque esta é uma área fulcral para nós, a de captar empresas”.

E temos que trabalhar muito para conseguir atrair mais empresas para a nossa terra. Isso é decisivo e a melhor forma de o fazermos é passarmos uma boa imagem daquilo que fazemos e do que somos. As pessoas vêm para cá quando percebem que há cá confiança”, concluiu o autarca.

No seguimento do ponto de situação da empresa Tectania, o presidente da Câmara Municipal de Abrantes deu ainda conta dos desenvolvimentos na FRASAM - Fundições do Rossio de Abrantes SA, localizada em Rossio ao Sul do Tejo.

Manuel Jorge Valamatos informou que “as Fundições do Rossio voltaram a impor um ritmo laboral muito interessante” e que “já estão a recrutar novas pessoas para a fábrica”, embora não seja ainda “com perspetivas efetivas de futuro”.

O presidente acrescentou que, ainda assim, “é muito bom” ter a fábrica a laborar e que “as pessoas que estão à frente desse processo têm a ver com engenharias nas áreas da energia e do ambiente”.