Abrantes: Projeto “Esparteiro – Artes de entrelaçar” é um dos vencedores do Programa Tradições

Concelhos 2018-12-05

Luís Filipe Dias e João Caseiro Gomes, da CMA, marcaram presença na cerimónia desta manhã

Abrantes, com o projeto “Esparteiro – Artes de entrelaçar”, foi um dos municípios vencedores do Programa Tradições, da EDP Produção.  Os resultados, dos nove selecionados, foram conhecidos esta manhã, no Complexo Cultural da Levada em Tomar.

O Programa Tradições recebeu 67 candidaturas de municípios onde a EDP tem centros produtores de energia. Os nove projetos selecionados vão ser apoiados com 250 mil euros, para desenvolverem iniciativas que protejam e promovam as tradições ancestrais, muitas delas em risco de extinção.

Neste sentido, a Câmara Municipal de Abrantes, em parceria com um conjunto de entidades, participou pela terceira vez no programa e desta vez trouxe o prémio para casa.

O objetivo é agora fazer o levantamento histórico da produção de seiras e capachos usados nos lagares de azeite que são feitos recorrendo à tradicional produção em esparto.

O projeto “Esparteiro – Artes de entrelaçar” vai promover workshops de produção tradicional, mas não só. Segundo Luís Filipe Dias, vereador com o pelouro da cultura, vai ser possível “produzir um documentário, vai ser feito um livro que suporta tudo isto, vão ser feitas muitas ações de capacitação não só ao nível da carpintaria, com os utentes do CRIA, mas também à volta da produção agrícola, com a EPDRA”.  

“Vão ser feitas muitas atividades pedagógicas à volta desta indústria e, obviamente depois, com o apoio da Junta de Freguesia de Mouriscas e do Grupo Etnográfico, vamos fazer muitas representações ao longo dos próximos anos e dar-lhe uma dimensão criativa com o Creative Camp”, acrescentou.

Luís Filipe Dias disse que hoje era “um dia feliz e importante para Abrantes” uma vez que já por três vezes o Município se tinha candidatado ao Programa Tradições. Somente este ano, “com um projeto bem maturado”, foi possível trazer o apoio de cerca de 19 mil euros, num investimento total de cerca de 25 mil euros.

O vereador explicou o processo da candidatura: “fomos à génese da fileira do azeite, lembramo-nos da oliveira do Mouchão, a mais antiga do país. Lembramo-nos de tudo o que temos feito e produzido em torno das questões da indústria milenar do azeite e, depois, pensámos que de facto, à volta das seiras e dos capachos de Mouriscas, à volta da produção artesanal, há toda uma narrativa, contexto e série de dinâmicas imateriais e materiais, que importa preservar”.

“Foi como base nestas ideias, que o Município e um conjunto de parceiros, onde incluímos a Junta de Freguesia de Mouriscas, o Grupo Etnográfico “Os Esparteiros”, a EPDRA e o CRIA, instruímos esta candidatura à EDP. Depois, não o podíamos também fazer sem o apoio da SIFAMECA, sobretudo com as duas pessoas que ainda trabalham as seiras e os capachos”, referiu o vereador.

 Ao longo das três edições, a EDP Produção já investiu cerca de 600 mil euros nos mais diversos projetos que preservam a cultura popular portuguesa.

Para Pedro Neves Ferreira, administrador da EDP Produção, este é o “programa bandeira” da empresa “na área do investimento social, que visa manter vivas as tradições em Portugal. São saberes ancestrais que importa preservar, documentar, manter vivos e ensinar às novas gerações”.

“O Programa Tradições já vai na sua terceira edição. Iniciou em 2015, e temos recebido várias candidaturas”, salientou o administrador, tendo referido que este ano a empresa rececionou “65 candidaturas, que depois de um processo de seleção”, foi possível chegar aos nove vencedores.

Pedro Neves Ferreira, administrador da EDP Produção

“Um prémio vai para Abrantes, para um projeto que visa documentar, ensinar e divulgar a arte do esparteiro e pareceu-nos um projeto com muito mérito, que teve um envolvimento muito grande da Câmara Municipal de Abrantes e como este, existem mais projetos ligados a artes artesanais, mas também ligados a outros saberes. Ao todo, estamos a falar de 27 municípios que vamos cofinanciar juntamente com outras fontes de financiamento”, disse o responsável.

No entendimento de Pedro Neves Ferreira, o Programa Tradições “ajuda a aproximar a EDP das comunidades locais através de algo que nos é comum”.