Abrantes: Concurso de ideias para o antigo mercado diário com 53 projetos (C/ÁUDIO)

2021-03-26

Na segunda-feira, dia 22 de março, fechou o prazo para a entrega dos trabalhos para o concurso de ideias para o projeto de requalificação do antigo Mercado Diário de Abrantes. Tratou-se de um concurso internacional teve uma participação de 53 trabalhos que vão agora ser avaliados por um júri que escolherá os três primeiros para poderem receber os prémios previstos no regulamento. Recorde-se que este concurso de ideias foi lançado para que os arquitetos e criativos interessados pudessem apresentar soluções inovadoras, ou não, para aquele espaço que está encerrado para venda de produtos alimentares frescos há mais de 10 anos. Mesmo assim os participantes tinham no regulamento alguns pressupostos que teriam de cumprir, desde logo o custo da obra com um teto máximo de 2,7 milhões de euros e um preço base superior a 135 mil euros. O Município lançou o concurso de ideias em parceria com a Secção Regional Sul da Ordem dos Arquitetos. E aquilo que foi pedido aos concorrentes foi: “O Município de Abrantes pretende proceder à reconversão do antigo Mercado Municipal de Abrantes, sito na Avenida 25 de Abril, em Edifício Multiusos, na perspetiva da sua reutilização como equipamento de resposta a uma nova realidade. Pretende ainda requalificar a área envolvente a este mercado, nomeadamente a entrada no Centro Histórico da cidade, dotando-a de uma identidade urbana. A reconversão do edifício do antigo Mercado Municipal e a requalificação da área envolvente, convergem assim na oportunidade de consolidação de uma estratégia que tem vindo a ser implementada pelo Município de Abrantes nos últimos anos, centrada na Regeneração Urbana e na Reabilitação Urbanística, Social e Económica do Centro Histórico de Abrantes”.

O presidente da Câmara de Abrantes, Manuel Jorge Valamatos, afirmou em reunião do executivo não conhecer os trabalhos, mas mostrou-se pelo interesse que o concurso despertou. E acrescentou que foram 53 os trabalhos apresentados, ressalvando que as ideias dos mesmos devem ter em linha de conta que aquele edifício será, no futuro, um pavilhão multiusos, mas com a manutenção da fachada do edifício.

Manuel Jorge Valamatos, presidente da Câmara de Abrantes

O vereador do BE, Armindo Silveira, vincou que na ótica do partido que representa
qualquer projeto deveria ter como base o regresso dos vendedores ao espaço que agora vai entrar em requalificação. E reforçou que o Bloco de Esquerda será contra qualquer solução que não enquadre o regresso do mercado aquele local. Mesmo assim Armindo Silveira disse esperar que o concurso siga agora o seu caminho e as ideias (projetos escolhidos) sejam debatidas em Assembleia Municipal.

Armindo Silveira, vereador BE Câmara de Abrantes

O presidente da Câmara de Abrantes, Manuel Jorge Valamatos, respondeu ao vereador da oposição e voltou a indicar ainda não ter visto nenhum dos projetos-. Valamatos reforçou aquilo que tem dito ao longo dos últimos tempos, que “há um mercado a funcionar” e que esse mercado precisa é de pessoas a vender e a comprar.
Apesar de tudo deixou a nota de que vão ser feitas algumas pequenas intervenções no atual edifício por forma a poder melhorar cada vez mais as condições daquele imóvel. Disse que são pequenas intervenções que visam melhorar as condições para que ali se desloca, sejam vendedores ou compradores.

Manuel Jorge Valamatos, presidente da Câmara de Abrantes

Rui Santos, vereador eleito pelo PSD, voltou a vincar a posição que sempre teve sobre esta matéria. Afirmou que o PSD sempre defendeu que o mercado diário deveria ficar no mesmo edifício, mas depois voltou a referir que não se pode andar sempre a mudar. Não se pode andar a demolir coisas feitas por um partido quando outro, da oposição, chega ao poder. E afirmou concordar com a construção de um espaço multiusos que faz muita falta ao concelho de Abrantes.

Rui Santos, vereador PSD Câmara de Abrantes

Das 53 ideias vão ser escolhidas três que terão prémio, nomeadamente 10 mil, 5 mil e três mil euros.
Os critérios de seleção que o júri vai analisar serão divididos da seguinte forma: qualidade da solução proposta (70%), adequabilidade ao programa funcional (15%) e exequibilidade da solução (15%).
O júri que vai analisar estes projetos é constituído pelo Presidente da Câmara Municipal de Abrantes, Manuel Jorge Valamatos, Victor Mestre, arquiteto convidado pela Câmara Municipal de Abrantes; e Luís Pedro Pinto, arquiteto indicado pela Secção Regional de Lisboa e Vale do Tejo da Ordem dos Arquitetos.
Como membros suplentes do concurso estão registados João Gomes, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Abrantes, e Luís Costa Valente, arquiteto indicado pela Secção Regional de Lisboa e Vale do Tejo da Ordem dos Arquitetos.