Pesquisar notícia
domingo,
19 set 2021
PUB
Concelhos

Abrantes celebra 102 anos evocando a cultura

15/06/2018 às 00:00
Partilhar nas redes sociais:
Facebook Twitter

Entrega do Prémio de Museu do Ano pelas mãos do vice-presidente da Associação Portuguesa de Museologia, Pedro Inácio  

Abrantes assinalou esta quinta-feira, 14 de junho, 102 anos de existência.

O tema da Cultura foi o escolhido pelo Município para assinalar o Dia da Cidade. E foi na Galeria quARTel da Arte Contemporânea de Abrantes, coleção Figueiredo Ribeiro, que se procedeu à assinatura de um protocolo com a Fundação Serralves, à entrega do Prémio de Museu do Ano, recentemente atribuído ao Museu Metalúrgica Duarte Ferreira, de Tramagal, e à homenagem aos colaboradores do Município que celebram 25 anos de serviço e também àqueles que se aposentaram.

Assinatura do Protocolo. Ana Pinho, presidente da Fundação Serralves, fez referência às iniciativas que se vão desenvolver com Abrantes e lembrou que em 2017 a Fundação apresentou 25 exposições

Maria do Céu Albuquerque, presidente da Câmara Municipal, na presença do secretário de Estado das Autarquias, Carlos Miguel, agradeceu à Fundação de Serralves e explicou que Abrantes, enquanto Câmara Fundadora “passará a ter um conjunto de “benefícios”, regulados por um plano bianual de atividades que contemplará exposições anuais, visitas guiadas, programas pedagógicos e estágios, consultadoria nas áreas da arte contemporânea, da sensibilização ambiental e conservação de espaços públicos verdes, ações de formação para técnicos de jardinagem, entre outras iniciativas exclusivas e de utilização dos espaços de Serralves”.

De seguida, agradeceu à Associação Portuguesa de Museologia, “pelo prestígio que nos honra, que nos responsabiliza e nos desafia com o Prémio de Museu do Ano, recentemente atribuído ao Museu Metalúrgica Duarte Ferreira”. E por último, a edil endereçou os seus agradecimentos aos autarcas presentes, aos representantes das mais diversas entidades e aos colaboradores do Município.

Maria do Céu Albuquerque falou de Cultura e disse que “a definição de uma estratégia de investimento cultural, científica e desportiva é a melhor aposta para um desenvolvimento harmonioso dos cidadãos, para a melhoria da sua qualidade de vida e para a criação de uma verdadeira dinâmica social”.

“Temos, apesar de algumas contrariedades físicas recentes, uma agenda cultural e desportiva fortemente reconhecida na região”, considerou a autarca abrantina, tendo lembrado que a Câmara se juntou “à estratégia da Turismo do Centro em alargar os anéis de atração do património mundial (Alcobaça, Batalha, Coimbra e Tomar) a novas áreas de intervenção ligadas à valorização do edificado, com Concurso Internacional de Ideias para o Castelo de Abrantes, e da reabilitação do património religioso, como é o caso da Musealização da Igreja de Santa Maria do Castelo, Panteão dos Almeida ou a Igreja de São Vicente”.

Por último, a presidente salientou que a Câmara tem “continuadamente procurado identificar e capacitar os nossos recursos e percursos turísticos para que sejam cada vez mais acessíveis e inclusivos para todos e todas”.

O secretário de Estado das Autarquias Locais, Carlos Miguel, fez referência a um pacote de 600 milhões de euros a acrescer para os Municípios, sendo para a região Centro, na qual Abrantes está integrada, “mais de 230 milhões de euros” para a educação, em concreto para os centros escolares, para a saúde, nomeadamente para os centros de saúde e para a cultura, sobretudo para a recuperação do património.

“É nestas apostas que estamos todos comungados, com interesses comuns e a trabalhar com vista no futuro”, disse Carlos Miguel, tendo elogiado a escolha do tema da Cultura para assinalar o Dia da Cidade de Abrantes.

“A cultura tem cada vez mais peso naquilo que é a vida das pessoas. E numa altura como a nossa, em que todo e qualquer presidente de câmara procura ter um território que cative mais pessoas, um território que seja mais visível, onde se vai à procura daquilo que é diferente (…) aquilo que diferencia mesmo um território é a cultura”, reforçou o governante.

Secretário de Estado das Autarquias Locais, Carlos Miguel

Carlos Miguel referiu que o que torna os Municípios diferentes, “é aquilo que o Município consegue investir na preservação dos seus valores culturais e aquilo que consegue na visão e investimento que tem em captar novos valores culturais. E esse é o caminho que os Municípios estão a descobrir”.

As cerimónias do Dia da Cidade ficaram marcadas com a homenagem aos colaboradores da Câmara Municipal e dos Serviços Municipalizados que celebram 25 anos de serviço e também aqueles que se aposentaram.

Maria do Céu Albuquerque agradeceu aos trabalhadores distinguidos e disse que foi “um privilégio” poder contar “com o empenho e dedicação” dos trabalhadores.“Nós hoje chegámos aqui, porque foi possível contar com estes homens e mulheres empenhados com a causa pública", afirmou.

As cerimónias do Dia da Cidade iniciaram na praça Raimundo Soares, com o hastear da Bandeira nos Paços do Concelho com Maria do Céu Albuquerque, presidente da Câmara Municipal, António Mor, presidente da Assembleia Municipal e Carlos Miguel, secretário de Estado das Autarquias Locais.

O Hino Nacional ouviu-se em uníssono pelos coros do Orfeão de Abrantes e da SAT – Sociedade Artística Tramagalense, acompanhados pelas Bandas Filarmónicas do concelho: Rio de Moinhos, Rossio ao Sul do Tejo, Alvega e Mouriscas.