Abrantes: Antigo mercado diário e Cineteatro S. Pedro questionados em reunião de Câmara

2020-07-09

Na última reunião da Câmara Municipal de Abrantes, o vereador Armindo Silveira, do Bloco de Esquerda, voltou a questionar o Executivo acerca do que está previsto ser feito com o edifício do antigo mercado diário da cidade.

“As propostas para «lavar a cara» do edifício do antigo mercado diário de Abrantes como forma de minimizar o impacto visual negativo e evitar a constante degradação do referido edifício, não foram acolhidas pelo executivo e um dos argumentos foi que rapidamente se iria avançar para a requalificação do mesmo”, disse o vereador, solicitando “que o executivo esclareça os pormenores do projeto que irá propor para aquele imóvel e espaço envolvente e qual a data prevista para o inicio da intervenção”.

Manuel Jorge Valamatos, presidente da Câmara, assumiu que a autarquia quer mudar o rosto do edifício mas que há, para já, obras mais mais prioritárias pois o Executivo “não consegue fazer tudo ao mesmo tempo”.

“Daquilo que foi a análise técnica, não existe uma situação de perigo eminente de derrocada do antigo mercado municipal”, afirmou o autarca para de seguida explicar que a ideia do Executivo é “mudar o rosto do antigo mercado diário, com outra linguagem. Não é estar-lhe a mexer mas é mudar o rosto de outra forma, pois existem técnicas para que isso aconteça”.

Manuel Jorge Valamatos assumiu que o Executivo “nos próximos tempos quer definir a estratégia que queremos montar para o antigo mercado diário” e lembrou que o Executivo tem “um programa que será analisado a seu tempo”.

 

Ermida de Santo Amaro

O vereador bloquista colocou ainda a questão acerca do ponto de situação das escavações da Ermida de Santo Amaro. Armindo Silveira quis saber se já foram concluídas e quais os resultados.

A resposta veio pela voz do vice-presidente João Gomes que informou que “o projeto, as escavações e tudo o que foi exigido ao promotor do local foi feito pela DGPC”, a Direção-Geral do Património Cultural.

Depois de analisadas pela DGPC, “as escavações foram terminadas, foi feito o levantamento e a DGPC apresentou ao promotor uma estratégia de salvaguarda dos bens que ali foram descobertos e sobre a questão da Ermida”.

João Gomes disse saber da parte do promotor que “assumiu e iria fazer essa intervenção, porque o promotor tem ali um projeto pendente que confina com a Ermida que é a construção de duas moradias. Fui informado pelo promotor que iria fazer e iria respeitar todas as normas da DGPC”. O vice-presidente garantiu que a Câmara Municipal irá aguardar e acompanhar o processo de desenvolvimento “e achamos que irá ser feito conforme as normas e os critérios que foram abordados para o local”.

 

Cineteatro S. Pedro

Nesta sequência, também o vereador do PSD, Rui Santos, quis saber “se existe algum problema com a aquisição do Cineteatro S. Pedro”.

O presidente da Câmara garantiu que “não há problema nenhum” e explicou que foi feito um pedido ao Tribunal de Contas para a aquisição do Cineteatro S. Pedro no âmbito de um contrato de promessa de compra e venda. “Entretanto, a Iniciativas de Abrantes entendem que em vez de fazermos um contrato promessa compra e venda, podíamos fazer já um contrato de compra e é isso que estamos a estruturar”, explicou o autarca.

Assim sendo, o Município irá fazer novo pedido ao Tribunal de Contas para alterar o tipo de contrato sendo que “o modelo de pagamento e os valores continuam tudo igual”. Com a alteração do tipo de contrato, a Câmara de Abrantes não tem que esperar pelos seis anos acordados, fica já proprietária do imóvel, uma decisão “que parece-nos bem”, disse Manuel Jorge Valamatos.

Manuel Jorge Valamatos assumiu que a reabilitação do Cineteatro S. Pedro “está acima do milhão de euros”.