Abrantes: 1 milhão para estradas e cemitério

Concelhos 2019-08-23
Estrada Barca do Pego - Valhascos
Estrada Barca do Pego - Valhascos

A Câmara Municipal de Abrantes vai investir cerca de um milhão de euros na requalificação de três estradas que apresentam um piso bastante degradado e que há muitos anos aguardam por obras de requalificação.

A primeira intervenção deverá ser na estrada que liga Bicas à Estrada Nacional 118, em Tramagal e que está orçamentada em meio milhão de euros. Esta empreitada já teve o concurso lançado e a autarquia, ao abrigo da legislação vigente, vai ter de pedir alguns esclarecimentos à empresa que se apresentou com o preço mais baixo. É que o valor apresentado é inferior em mais de 20% à media dos valores apresentados pelos outros concorrentes.

Esta explicação foi prestada pelo vice-presidente João Gomes, assente numa questão legal enquanto o presidente, Manuel Jorge Valamatos, destacou o esforço financeiro que a autarquia vai fazer no alcatroamento de três estradas do concelho. Esta, cujo processo está mais avançado, e outras duas: Maxial e Barca do Pego – Valhascos.

No que diz respeito à estrada municipal 555, que liga a Barca do Pego até à localidade de Valhascos (Sardoal) e que o Jornal de Abrantes destacou na sua última edição, vai ser alvo de uma intervenção até ao limite do concelho de Abrantes. Manuel Jorge Valamatos afirmou ter estado a ver a estrada, cuja deterioração foi agravada devido à passagem de mais veículos pesados por força das limitações de trânsito na Estrada Nacional 2, junto a Casais de Revelhos. Adiantou ainda ter testemunhado o mau estado, pelo que esta intervenção deverá representar um investimento da ordem dos 100 mil euros.

Ainda segundo presidente da Câmara de Abrantes há uma outra estrada muito necessitada de pavimento e que está em fase de projeto. Trata-se da estrada do Maxial, na freguesia Fontes, que deverá ter um orçamento da ordem dos 315 mil euros.

Ainda na reunião do executivo municipal de Abrantes foi anunciada uma intervenção no cemitério de Santa Catarina que visa a construção de mais dois talhões, aumentando o número de sepulturas em 225. Esta é uma obra que está a ser desenvolvida pelos serviços da autarquia em que há a assinalar o transporte de terra de Concavada para a zona de S. Lourenço e a aquisição das sepulturas de betão para colocar naquele local. Ainda segundo o autarca este é um processo de alargamento do cemitério de acordo com o projeto inicial do mesmo e que tem um custo de cerca de 150 mil euros.